'A Casa da Magia' com a voz de Luis de Matos

Dirigido por Jeremy Degruson e Ben Stassen, chegou esta quinta-feira às salas de cinema portuguesas o filme de animação 'A Casa da Magia' dos estúdios de produção belga nWave Pictures.

Luis de Matos, o mais famoso ilusionista português, dá voz ao mágico Lorenzo, naquela que é a sua primeira experiência na dobragem de desenhos animados.

"Este filme tem a particularidade de falar sobre diferentes níveis de magia - a magia enquanto ilusão, arte performativa e entretenimento e um outro tipo de magia, capaz de transformar a vida das pessoas e o mundo que nos rodeiam - a magia da amizade e da capacidade de acreditar", explicou Luis de Matos.

Para o mágico português dobrar desenhos animados era um sonho com 25 anos, agora concretizado. "Foi um desafio totalmente novo e muito inspirador - o facto de ser mágico profissional deu-me uma vantagem acrescida na compreensão de quem é Lorenzo, mas o processo de dar voz a um personagem é fantástico e foi uma experiência extraordinariamente divertida", refere.

A superprodução europeia 'A Casa da Magia' teve um orçamento do 25 milhões de euros e foi realizada em 3D, mas em Portugal chega apenas em 2D.

O filme conta a história de Trovão, um pequeno gatinho abandonado pela sua família, que se refugia numa misteriosa mansão onde vive um excêntrico mágico reformado, Lorenzo, e o seu grupo de animais e autómatos, com poderes surpreendentes, que lhe fazem companhia.

No seguimento de um acidente de bicicleta, o mágico é hospitalizado e o seu ambicioso sobrinho aproveita-se da situação para tentar vender a mansão, sem o seu consentimento. É então que Trovão tem uma ideia: organizar a resistência para tentar evitar que a mansão seja vendida.

Para crianças dos 4 aos 9 anos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.