Carlos Rocha: ministro lamenta morte de um "designer português de referência"

O designer e professor, que morreu na terça-feira aos 73 anos, trabalhou na imagem de marcas nacionais como a TAP, a EDP, o Banco Comercial Português e o Banif

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, lamentou esta quinta-feira a morte do designer Carlos Rocha, 73 anos, sublinhando a sua contribuição "para a construção da identidade de várias marcas nacionais nas últimas décadas".

O designer Carlos Rocha, que se encontrava doente há algum tempo, faleceu na terça-feira, em Azeitão.

Numa nota de imprensa, o ministro da Cultura manifesta o seu pesar pela morte do "designer português de referência", que trabalhou na imagem de várias marcas nacionais, como a TAP, a EDP, o Banco Comercial Português e o Banif.

"Profissional de exceção, contribuiu de forma ativa para a formação de várias gerações de designers. O seu legado faz parte da memória coletiva e continuará a influenciar novos profissionais", sublinha o ministro da Cultura na nota de pesar.

Carlos Rocha foi diretor da agência Marca, na área do desenho industrial e publicidade na década de 1960, e depois na Letra Design, na década de 1970, tendo desenvolvido em ambas um importante trabalho na identidade corporativa de várias empresas.

Foi docente na Faculdade de Arquitetura e na Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa, e um dos membros fundadores da Associação Portuguesa de Designers.

Exclusivos