"As redes sociais estão a gerar uma imensa solidão"

Wim Wenders é um dos homenageados do Lisbon & Estoril Film Festival. O seu filme mais recente, Tudo Vai Ficar Bem, estreia quinta-feira

A sua presença no LEFFEST envolve a revelação da versão integral de Até ao Fim do Mundo (1991), cuja rodagem passou por Portugal - qual é a duração desta versão?

Quase quatro horas e cinquenta minutos... Foi preciso esperar 25 anos até ter o direito de a mostrar [hoje, cinema Medeia Monumental, Lisboa, às 18.30].

Como é que isso aconteceu?

É uma história épica. Na altura, pensei que conseguiria convencer os produtores e distribuidores a mostrar a versão integral. Hoje, creio que seria possível: é quase como uma série, até pode ser mostrado em quatro ou cinco partes de cerca de uma hora... O certo é que ninguém acreditou que os espetadores pudessem ir ver um filme tão longo. Fui obrigado a reduzi-lo para a duração contratual de duas horas e meia.

O que sobrou, então?

Duas horas e meia num filme que devia durar cinco é um crime, uma espécie de versão Reader"s Digest. A banda sonora [U2, Nick Cave & the Bad Seeds, Patti Smith, etc.] correu bem, mas o filme não... As pessoas que já viram a versão integral acham que é como o dia e a noite, não tem nada a ver com o que foi distribuído. E dizem-me: "Agora percebemos o que estavas a querer dizer".

Na altura, era um filme sobre o futuro. E agora, tornou-se um filme sobre o nosso presente?

Há coisas que mostramos no filme que passaram a fazer parte da realidade contemporânea: quando vejo, no metro ou nas ruas, as pessoas que andam a olhar para os seus pequenos ecrãs penso que, realmente, antecipámos tudo isso... E até mesmo a ideia de podermos visualizar os nossos sonhos. O filme não era uma metáfora sobre o visual do futuro, mas é verdade que muitas coisas aconteceram mesmo.

E como é que tudo isso tem marcado as relações humanas?

No filme, há 25 anos, o que vemos é que a tecnologia torna as pessoas mais solitárias do que nunca. E penso que assim aconteceu - é exatamente isso que está a ser gerado pelas chamadas redes sociais, ou seja, uma imensa solidão.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG