As preocupações da vida real dominam a linguagem universal do design

124 obras oriundas do espaço ibero-americano, (quase) todas apresentadas ao longo das cinco bienais ibero-americanas do design, mostram uma relação muito direta dos criadores com a vida das pessoas.

Novo Mundo - Visões através da Bienal Ibero-Americana de Diseño. 2008-2016 é um nome tão longo como explicativo sobre a seleção de soluções (produtos e ideias) que passaram pelo encontro de design organizado pela Fundação Desenho Madrid que se pode ver até 6 de agosto no Palácio dos Condes da Calheta, Jardim-Museu Agrícola Tropical, em Belém, nesta exposição do MUDE - Museu do Design e da Moda, fora de portas, enquanto continuam as obras de requalificação na antiga sede do BNU, na Rua Augusta, em Lisboa.

Podem ser cartazes - com mensagens políticas e sociais - como aqueles que abrem a exposição, mas podem ser também os tecidos criados com artesãs, cujo nome aparece nos créditos ao lado do designer, o tratamento infográfico de dados estatísticos do português Pedro Miguel Cruz sobre os políticos que transitam para empresas privadas ou as capas de Vera Tavares para os livros da editora Tinta-da-China. Ao todo, são 124 obras oriundas "deste conceito geopolítico a que chamamos espaço ibero-americano", como descreve Bárbara Coutinho, diretora do museu português e curadora da exposição. "Todas elas foram apresentadas ao longo das cinco bienais ibero-americanas do design", refere .

Bárbara Coutinho, também membro do comité da BID, fala em primeiro lugar como diretora do MUDE sobre este lugar que acolhe a exposição. "Dentro da lógica de parcerias e descoberta de património da nossa cidade, começámos à procura de um lugar que fizesse sentido para albergar a programação que desenhámos especificamente para Lisboa Capital Ibero-Americana", contextualiza.

Esta é a primeira de três exposições que acontecem no Palácio dos Condes da Calheta. Seguem-se Como se Pronuncia Design em Português: Brasil Hoje, a partir de 23 de setembro, e Tanto Mar. Fluxos Transatlânticos pelo Design, a começar a 27 de janeiro. "Vamos do geral para o particular. A última faz o triângulo Portugal, África, Brasil."

"Fomos bater à porta da Universidade de Lisboa, que se mostrou muito recetiva e com a qual assinámos um protocolo para nos deixar estar aqui." A instituição tutela desde 2015 o Instituto de Investigação Científica e Tropical, de que faz parte este Jardim-Museu Agrícola Tropical. "Achei bastante interessante, pela sua história, pelo seu significado em termos arquitetónicos, mas também políticos, culturais e ideológicos", observa Bárbara Coutinho, bastando-lhe olhar em frente, no átrio, para encontrar provas das suas palavras. "Refiro que estes dois altos-relevos são desenhados para a exposição do Mundo Português [1940]." E não só. "O acervo que está neste palácio resulta de muitas investigações, expedições científicas, como se chamava na altura, aos países do ultramar, tentando recolher o máximo das culturas autóctones, a caracterização dos seus habitantes e as suas riquezas materiais. Tem muitos artefactos, utensílios..."

Sobre a porta de entrada ainda se lê: Museu Agrícola do Ultramar e percorrendo as salas do palácio esbarra-se com estantes que guardam pastas com amostras de folhas de árvores e passa-se pela xiloteca - uma biblioteca de madeiras recolhidas em territórios africanos. Tudo isso e a arquitetura palaciana dos séculos XVII e XVIII. "Interviemos o menos possível", garante a diretora.

O desenho expositivo é do ateliermob, que tem trabalhado a arquitetura em processos participativos (como vários designers aqui representados) e "pretende falar desta diversidade e pluralidade que sentimos".

O comité científico inclui representantes de Portugal e Espanha, mas também do Brasil, Chile, Venezuela ou Peru. "O repto era olhar para estes cinco anos, a herança da BID, e destacar os produtos, aplicações, serviços, ações, ideias que no século XXI têm posto a tónica numa ideia de design participativo e colaborativo. Os denominadores comuns são o multiculturalismo, é um design que procura acentuar a consciencialização política e cívica", nota a diretora e curadora, sublinhando que todos os países agem de forma distinta.

"A realidade é tão feita de extremos, de violência, de corrupção, de violência urbana. Aquilo que se sente aqui é uma ação muito direta, concreta, em relação à vida das pessoas e à consciência de cada país", reflete Bárbara Coutinho, fazendo uma ligação direta entre os debates de hoje em torno de refugiados e emigração. "É um reforço dessa tomada de consciência de nós enquanto cidadãos do mundo. Aqui se sente que o design é uma linguagem universal", continua. E por isso a única obra que nunca esteve na BID é de Pedro Miguel Cruz, um designer que tem trabalhado a forma de mostrar dados. Logo à entrada, no ecrã, passa Visualizing Empires Decline - Revisited, em que se mostra a evolução dos impérios britânico, espanhol e português desde o século XVIII.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.