'Virgem da Sopa de Leite' no Museu de Arte Antiga

A pintura "Virgem da Sopa de Leite", de Gérard David (1455-1523), proveniente dos Museus Reais das Belas-Artes da Bélgica, vai estar exposta no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, a partir de quinta-feira.

A exposição da obra do pintor flamengo, da transição do século XV para o XVI, está integrada no programa do MNAA "Obra Convidada", e fica patente ao público até 07 de setembro.

"Obra Convidada" é um novo programa do MNAA que tem permitido a exposição de obras de arte de importantes instituições estrangeiras, no quadro de um processo de internacionalização do museu.

O primeiro quadro exposto no MNAA, no âmbito deste programa, foi "Judite com a cabeça de Holofernes", de Lucas Cranach, o Velho, proveniente do Metropolitan Museum of Art, de Nova Iorque.

A "Virgem da Sopa de Leite" que, devido às suas pequenas dimensões, os especialistas consideram ter sido destinada ao culto privado, vai estar exposta ao lado da pintura do acervo do MNAA "Repouso na Fuga para o Egito", com características semelhantes, segundo o museu.

Os paralelismos centram-se no "grande pendor profano no tratamento da cena religiosa, não só ao 'secularizar' a figura da Virgem, como ao explorar a sedução da pintura de paisagem".

A cena retratada no quadro, sem elementos religiosos explícitos, mostra uma jovem mulher a preparar a refeição do seu filho, num interior acolhedor, reforçando a noção da Virgem como recetáculo terreno da dimensão humana de Jesus.

De acordo com o museu, esta pintura constitui um modelo que foi, por várias vezes, replicado dentro do ateliê de Gérard David e poderá mesmo ter sido concebida, desde o início, com esse fim.

Provavelmente, ainda segundo o MNAA, era mostrada na loja do artista como exemplo e, a partir dela, eram feitas várias versões, das quais sobreviveram, pelo menos, sete.

Nascido em Oudewater, uma pequena cidade holandesa entre Roterdão e Utrecht, Gérard David foi admitido, em 1484, na corporação de Bruges como mestre pintor e, em 1515, tornou-se mestre também em Antuérpia.

Nunca tendo deixado de viver em Bruges, onde veio a morrer em 1523, conquistou, no entanto, grande sucesso comercial e artístico com o seu trabalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?