Pavilhão de Angola conquista Leão de Ouro

O Pavilhão de Angola conquistou hoje o Leão de Ouro da Bienal de Arte de Veneza 2013 para a representação nacional, anunciou a organização do certame numa cerimónia de entrega dos prémios realizada nos Giardini, em Veneza, Itália.

O prémio foi anunciado pelo presidente do comité da Bienal de Arte de Veneza, Paolo Baratta.

O júri internacional foi presidido pela britânica Jessica Morgan, curadora da Tate Gallery de Londres, e ainda composto pelos curadores Sofía Hernández Chong Cuy (Mexico), Francesco Manacorda (Itália), Bisi Silva (Nigeria) e Ali Subotnick (Estados Unidos).

O Leão de Ouro para o melhor artista da 55.ª edição da Exposição Internacional de Arte de Veneza foi atribuído a Tino Sehgal (Reino Unido) e o Leão de Prata para um jovem artista promissor foi entregue a Camille Henrot (França).

O júri atribuiu ainda menções honrosas aos pavilhões de Chipre, Lituânia e Japão, e aos artistas da exposição Sharon Hayes (USA) e Roberto Cuoghi (Itália).

Na Bienal de Arte de Veneza competiam 88 representações nacionais, entre elas Portugal, com o cacilheiro de Joana Vasconcelos "Trafaria Praia", Brasil e Angola, país vencedor, que se estreia neste certame internacional de arte contemporânea.

O evento internacional de arte contemporânea tem como tema geral "O Palácio Enciclopédico", escolhido pelo curador Massimiliano Gioni, para evocar o artista ítalo-americano Marino Auriti, que, em 1955, esboçou um projeto de museu imaginário, com a intenção de reunir todo o conhecimento do mundo, desde a invenção da roda ao satélite.

Além das representações nacionais, a Bienal integra ainda a mostra internacional com obras de 150 artistas de 37 países, e uma programação paralela de dezenas de debates e eventos culturais, até 24 de novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.