O dia em que Bill Murray recriou "Caça-Fantasmas"

Num festival dominado pelos feitos transformistas dos atores, Bill Murray é o primeiro destaque numa edição marcada pelas biografias

Depois do primeiro fim de semana, o Festival de Toronto começa a amealhar filmes com pretensões à temporada dos Óscares. Os estúdios de Hollywood e produtores independentes lançaram as suas cartadas com algum aparato. Pela reação da imprensa americana e canadiana e, também, pelos ecos do mercado (centenas de exibidores, distribuidores e vendedores) sabe-se já se este ou aquele título podem ter luz verde a nível de caça ao Óscar.

É aqui que tudo começa e a caminhada é longa, sobretudo a nível de marketing, mas talvez não seja precipitado concluir que um dos títulos que mais lucrou com as reações positivas foi St. Vincent, comédia da Weinstein Co. realizada pelo estreante Theodore Malfi, também conhecida como a comédia de Bill Murray. Uma espécie de cruzamento entre Rushmore - Gostam Todos da Mesma, de Wes Anderson, com Melhor é Impossível, de James L. Brooks, em que ficamos a conhecer a improvável relação entre uma criança de 12 anos e o seu vizinho sexagenário, um alcoólico viciado no jogo e numa prostituta russa. Murray é particularmente tocante numa personagem que ameaça ficar com estatuto de culto.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.