MUDE inaugura exposição "Os Iconoclastas - Anos 80"

Uma exposição com cerca de 70 peças do Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, vai ser inaugurada hoje, para recordar a importância dos anos do experimentalismo da década de 80 do século XX.

De acordo com informação divulgada pelo MUDE, a exposição intitula-se "Os Iconoclastas - Anos 80" e ficará patente no primeiro piso do museu até 31 de agosto, com entrada livre.

A abertura desta nova mostra assinala o 5.º aniversário do MUDE -- Museu do Design e Moda, Coleção Francisco Capelo, que abriu ao público a 22 de maio de 2009.

A exposição apresenta um conjunto de 70 peças de moda e design do acervo do MUDE, escolhidas pelas formas e as silhuetas.

O percurso expositivo abre com uma peça emblemática dos estilistas Vivienne Westwood e Malcolm McLaren, criada em 1977, e apresenta pontualmente peças selecionadas dos anos 1990 "que representam bem a subversão das formas e dos pressupostos, só possível pelos anos de experimentalismo e pesquisa da década anterior".

Além destes criadores britânicos, vão ser apresentadas peças de Anish Kapoor, John Galliano, Dan Friedman, Tom Dixon, Ron Arad, Thierry Mugler, Claude Montana, Gaetano Pesce, Alessando Mendini, Michele de Lucchi, Romeo Gigli, Kenzo, Pedro Silva Dias, Christian Lacroix, Tomás Taveira, Grès, Yves Saint-Laurent, Romeo Gigli, Eduardo Souto de Moura, Jean-Charles de Castelbajac, Manuela Gonçalves, Issey Miyake e Andrea Branzi, entre outros.

A exposição inaugura hoje, às 19:00, e estará patente até 31 de agosto.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.