Grafitter André Saraiva inaugura exposição no MUDE

O Museu do Design e da Moda (Mude), em Lisboa, inaugura, no dia 4 de julho, uma exposição do "graffiter" francês de origem portuguesa André Saraiva, que criou o alter ego "Mr. A.

O artista e empresário francês começou a fazer "graffiti" em 1985.

Foi na década de 1990, porém, que criou "Monsieur A" (Mr.A), uma personagem de cabeça redonda, olhos em X, com uns traços a fazerem de pernas e um sorriso rasgado, com a qual se tornaria conhecido.

Num comunicado hoje divulgado, o Mude recorda que, "nunca perdendo a sua linguagem gráfica de origem, André Saraiva tem vindo a explorar outros territórios artísticos, nomeadamente a instalação, a pintura, a serigrafia, a direção criativa da revista L'Officiel Hommes e, mais recentemente, a edição, a curta-metragem e o vídeo".

Na mostra, que ficará patente no Piso 3 daquele museu, "pensada e desenhada como uma grande instalação", estarão expostas quase 200 peças.

"As diferentes expressões artísticas em que tem trabalhado surgem em complementaridade, de modo a sublinhar o seu desenho e dando a conhecer a sua obra que aprofunda a linguagem pop e é devedora das noções de espetáculo, arte com um sentido lúdico e contaminação entre a arte erudita e a arte pop do pós-modernismo", refere o museu.

No âmbito da exposição, o artista pintará ainda sete pranchas de surf brancas, desenhadas e produzidas por empresas portuguesas, que vão integrar o espólio do museu.

O artista concebeu ainda um mural de azulejos pintados à mão para a cidade de Lisboa, em colabração com a Fábrica de Cerâmica Viúva Lamego. O painel tem 106 metros de comprimento e 950 metros quadrados de área e será instalado no Jardim Boto Machado, junto à Feira da Ladra (Campo de Santa Clara), com colocação prevista entre setembro e o início de 2015, de acordo com um comunicado do MUDE. Na exposição, o desehor deste mural estará entre as cerca de 200 peças apresentadas.

André Saraiva, nascido em 1971, tem colaborado com marcas de moda internacionais como a Louis Vuitton, a Levi's, a Chloé, a Chanel, a Cartier e a Givenchy, entre outras.

Este artista tem ainda uma faceta de empresário, é proprietário do bar Le Baron, em Londres (Reino Unido), Nova Iorque (Estados Unidos), Tóquio (Japão) e Paris (França).

A exposição, de entrada gratuita, estará patente até 28 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.