Grafitter André Saraiva inaugura exposição no MUDE

O Museu do Design e da Moda (Mude), em Lisboa, inaugura, no dia 4 de julho, uma exposição do "graffiter" francês de origem portuguesa André Saraiva, que criou o alter ego "Mr. A.

O artista e empresário francês começou a fazer "graffiti" em 1985.

Foi na década de 1990, porém, que criou "Monsieur A" (Mr.A), uma personagem de cabeça redonda, olhos em X, com uns traços a fazerem de pernas e um sorriso rasgado, com a qual se tornaria conhecido.

Num comunicado hoje divulgado, o Mude recorda que, "nunca perdendo a sua linguagem gráfica de origem, André Saraiva tem vindo a explorar outros territórios artísticos, nomeadamente a instalação, a pintura, a serigrafia, a direção criativa da revista L'Officiel Hommes e, mais recentemente, a edição, a curta-metragem e o vídeo".

Na mostra, que ficará patente no Piso 3 daquele museu, "pensada e desenhada como uma grande instalação", estarão expostas quase 200 peças.

"As diferentes expressões artísticas em que tem trabalhado surgem em complementaridade, de modo a sublinhar o seu desenho e dando a conhecer a sua obra que aprofunda a linguagem pop e é devedora das noções de espetáculo, arte com um sentido lúdico e contaminação entre a arte erudita e a arte pop do pós-modernismo", refere o museu.

No âmbito da exposição, o artista pintará ainda sete pranchas de surf brancas, desenhadas e produzidas por empresas portuguesas, que vão integrar o espólio do museu.

O artista concebeu ainda um mural de azulejos pintados à mão para a cidade de Lisboa, em colabração com a Fábrica de Cerâmica Viúva Lamego. O painel tem 106 metros de comprimento e 950 metros quadrados de área e será instalado no Jardim Boto Machado, junto à Feira da Ladra (Campo de Santa Clara), com colocação prevista entre setembro e o início de 2015, de acordo com um comunicado do MUDE. Na exposição, o desehor deste mural estará entre as cerca de 200 peças apresentadas.

André Saraiva, nascido em 1971, tem colaborado com marcas de moda internacionais como a Louis Vuitton, a Levi's, a Chloé, a Chanel, a Cartier e a Givenchy, entre outras.

Este artista tem ainda uma faceta de empresário, é proprietário do bar Le Baron, em Londres (Reino Unido), Nova Iorque (Estados Unidos), Tóquio (Japão) e Paris (França).

A exposição, de entrada gratuita, estará patente até 28 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.