Fotografias de ciganos do Alentejo expostas em Nova Iorque

Fotógrafo francês Pierre Gonnord mostra em Nova Iorque retratos da comunidade cigana do Alentejo e da Extremadura.

O fotógrafo francês Pierre Gonnord, nascido em 1963, vive em Madrid desde 1988 e há mais de uma década que se dedica a retratar a vida daquelas comunidades que estão nas margens da sociedade - sejam tribos remotas ou povoações isoladas, grupos de jovens punks, mineiros que passam a maior parte do tempo no subsolo ou ciganos.

Na galeria Hasted Kraeutler, em Nova Iorque, até 25 de abril, Pierre Gonnord mostra neste momento The Dream Goes Over The Time, título inspirado na poesia de Federico García Lorca. As imagens que compõem esta exposição foram captadas entre o Alentejo e a Extremadura espanhola, onde acompanhou algumas comunidades ciganas, que levam uma vida nómada em grande proximidade com a natureza. Mas em vez de uma abordagem documental, Gonnord opta quase sempre por fazer retratos em que, quase sempre, os sujeitos encaram a câmara. O resultado aproxima-se propositadamente das pinturas.

Algumas destas fotografias que agora estão em Nova Iorque, e que resultam da residência realizada na região a convite de André de Quiroga, comissário da Trienal no Alentejo, estiveram expostas na Igreja do Salvador, em Évora, no verão de 2013, sob o título Au-Déla du Tage.

Antes disso, em 2012, o artista já tinha integrado a mostra coletiva Políptico, no espaço Bes Arte & Finança, em Lisboa, que apresentava reinterpretações dos Painéis de São Vicente.

Exclusivos