Eduardo Afonso Dias, designer do possível, no MUDE

Museu do Design e da Moda, em Lisboa, dedica exposição retrospetiva ao trabalho do designer Eduardo Afonso Dias. "O Design Possível" abre hoje.

Estudou escultura, quis ser fotógrafo, tornou-se designer e é o senhor que se segue nas exposições dedicadas a autores portugueses que o MUDE - Museu do Design e da Moda, em Lisboa, tem levado a cabo desde a sua abertura na Rua Augusta, em 2009.

Produzidas em larga escala, as peças de Eduardo Afonso Dias, agora tornadas peças de museu, são há muito memória nacional. Há, por exemplo, os talheres Omo, assim batizados por saírem nos pacotes do detergente com o mesmo nome, um pedido da indústrias Unilever. Ou outro faqueiro, o Gume, concebido para a sueca IKEA nos anos 70. "Ele disse que conseguia produzi-lo sem ter a certeza. Há também um lado de idealismo, diz Bárbara Coutinho.

As peças mais produzidas convivem com aquelas que não saíram do protótipo, na exposição. Afonso Dias preservou o acervo com cuidado, registando com precisão o que foi criando. "Tudo estava embalado e arrumado", explica Rui Carreto, comissário da mostra em parceria com Bárbara Coutinho, diretora do MUDE. "Estivemos vários dias a desembalar", conta ele ao DN. Numa sala nos bastidores do MUDE, mesas à volta das quatro paredes e outras ao centro, deixam à vista esses 55 anos de trabalho: os faqueiros mais emblemáticos, as panelas de cobre que foram para os EUA ou os baldes de plástico vermelhos, amarelos e pretos que chegaram a Angola, e peças de cortiça, quando a cortiça não estava (ainda) tão na moda.

A exposição chama-se "O Design Possível", por refletir a relação nem sempre fácil com a indústria. Desde o princípio "elegeu o desenvolvimento do sector produtivo" como missão, mesmo quando outros designers abraçaram o design de autor. Bárbara Coutinho salienta outro aspeto da obra de Eduardo Afonso Dias, que chegou a chefiar o departamento de designer do arquiteto Conceição Silva, um dos maiores da Europa: "Como muitos designers, vieram da arquitetura de interiores."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.