Eduardo Afonso Dias, designer do possível, no MUDE

Museu do Design e da Moda, em Lisboa, dedica exposição retrospetiva ao trabalho do designer Eduardo Afonso Dias. "O Design Possível" abre hoje.

Estudou escultura, quis ser fotógrafo, tornou-se designer e é o senhor que se segue nas exposições dedicadas a autores portugueses que o MUDE - Museu do Design e da Moda, em Lisboa, tem levado a cabo desde a sua abertura na Rua Augusta, em 2009.

Produzidas em larga escala, as peças de Eduardo Afonso Dias, agora tornadas peças de museu, são há muito memória nacional. Há, por exemplo, os talheres Omo, assim batizados por saírem nos pacotes do detergente com o mesmo nome, um pedido da indústrias Unilever. Ou outro faqueiro, o Gume, concebido para a sueca IKEA nos anos 70. "Ele disse que conseguia produzi-lo sem ter a certeza. Há também um lado de idealismo, diz Bárbara Coutinho.

As peças mais produzidas convivem com aquelas que não saíram do protótipo, na exposição. Afonso Dias preservou o acervo com cuidado, registando com precisão o que foi criando. "Tudo estava embalado e arrumado", explica Rui Carreto, comissário da mostra em parceria com Bárbara Coutinho, diretora do MUDE. "Estivemos vários dias a desembalar", conta ele ao DN. Numa sala nos bastidores do MUDE, mesas à volta das quatro paredes e outras ao centro, deixam à vista esses 55 anos de trabalho: os faqueiros mais emblemáticos, as panelas de cobre que foram para os EUA ou os baldes de plástico vermelhos, amarelos e pretos que chegaram a Angola, e peças de cortiça, quando a cortiça não estava (ainda) tão na moda.

A exposição chama-se "O Design Possível", por refletir a relação nem sempre fácil com a indústria. Desde o princípio "elegeu o desenvolvimento do sector produtivo" como missão, mesmo quando outros designers abraçaram o design de autor. Bárbara Coutinho salienta outro aspeto da obra de Eduardo Afonso Dias, que chegou a chefiar o departamento de designer do arquiteto Conceição Silva, um dos maiores da Europa: "Como muitos designers, vieram da arquitetura de interiores."

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.