Aquela típica cadeira de café? É peça de museu

Exposição renova-se totalmente e mostra peças que chegaram ao acervo já depois da abertura do museu. Para ver a partir de hoje, às 18.30.

Pintada de amarelo, em metal, costas inclinadas e memória de gerações de portugueses que a associam a esplanadas por todo o País, a cadeira Gonçalo, assim batizada em homenagem ao mestre serralheiro Gonçalo Rodrigues dos Santos que a popularizou nos anos 50, é uma das peças de design nacional que podem ser vistas a partir de hoje na renovada exposição permanente do MUDE - Museu do Design e da Moda, em Lisboa. E se há novidade em "Único e Múltiplo, Dois Séculos de Design" é o número de portugueses que agora estão representados.

É no núcleo dedicado aos anos 70 que a presença portuguesa se afirma, desde logo com a cadeira de António Garcia criada para a representação portuguesa para a exposição mundial, em 1970, a cadeiras de António Sena da Silva, a mesa de escritório de Daciano da Costa e mesas de Eduardo Anahory. No início da exposição é uma cadeira assinada por Porfírio Pardal Monteiro, exibida pela primeira vez, que chama a atenção. Em núcleos mais recentes, Filipe Alarcão e Fernando Brízio mantêm-se.

"Estão aqui por direito próprio", enfatiza a diretora do museu e curadora da exposição, Bárbara Coutinho (com Anabela Becho), deixando claro que não as introduz no mapa da exposição pela sua nacionalidade. São 30 e boa parte chegou até aqui por doação, e a maioria esteve já em exposição no museu da Rua Augusta, em mostras individuais dedicadas a artistas portugueses. Há mais uma a caminho: Eduardo Afonso Dias, a partir do dia 17 de abril.

Leia mais no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.