André Saraiva, Mr. A e a pintura no MUDE

André Saraiva, artista plástico de origem portuguesa, inaugura hoje, às 19.00, uma exposição sobre os seus trabalhos no MUDE - Museu do Design e da Moda, em Lisboa.

"Não é uma exposição de graffitti" e "não é uma exposição retrospetiva", avisa André Saraiva, 42 anos, sobre a exposisão homónima que hoje inaugura no terceiro piso do MUDE, um best of dos seus trabalhos nos últimos 20 anos - Mr. A., o alter-ego (um olho em bola e o outro em cruz), os Dream Concerts, Love Graffitti, por exemplo.

O artista diz que a transgressão da lata de spray é para a rua. Na exposição usa técnicas do graffiti mas sem ser graffitti em as caixas de correio amarelas e sinais de trânsito. "Objetos lindíssimos" na sua opinião. Pertencem a fases mais recuadas da carreira.

A abrir, vários posters dos seus "Dream Concerts" [concertos de sonho], em que junta Sex Pistols, Joy Divison, The Clash ou "Dr. Dre vs. Jay Z" ou homenagens a artistas como Damien Hirst. "Nunca aconteceram e alguns nem são possíveis... mas resultaram". Havia fila à porta da sala onde o espectáculo imaginário que juntava franceses como Daft Punk, Justice e Air deveria acontecer.

Uma porta de discoteca abre caminho a uma cidade de "night clubs", edifícios cor de rosa a fazer lembrar o Empire State Building, outro dos projetos marcantes do artista. A saída (ou entrada) leva o visitante a vitrinas com os seus objetos preferidos, referências artísticas que vão do livro "O Estrangeiro", de Albert Camus ("Sempre me senti estrangeiro"), ao primeiro livro de fotos de graffitti, de Brassaï, ténis personalizados com o olho e cruz de Mr. A [mostras da relação de André Saraiva com diversas marcas de luxo] ou edições da revista "L'Offciel d' Hommes", de que é diretor criativo. Estão arrumados em vitrines que vieram do Museu de Arte Popular. "São lindas".

A exposição abre as portas hoje às 19.00 e fica até 28 de setembro. Antes das portas fecharem será mostrado o projeto em que André Saraiva está a trabalhar para a cidade de Lisboa. Um mural com 900 metros quadrados e mais de 100 de comprimento, junto à Feira da Ladra, uma parceria da Câmara Municipal de Lisboa com a Fábrica de Cerâmica Viúva Lamego, detida desde 2012 pela Prébuild."Uma partderá ser vista na parede ainda antes do final desta exposição", anunciou a diretora do MUDE, Bárbara Coutinho, esta manhã, na visita guiada à exposição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.