Exposição mostra obras recentes de João Onofre

O artista plástico João Onofre apresenta uma exposição individual com obras recentes, que articulam o som e vídeo, na Solar - Galeria de Arte Cinemática, Vila do Conde, em Vila do Conde, até 19 de janeiro de 2014.

De acordo com a galeria, o conjunto de obras selecionadas para esta exposição integra algumas produções recentes, bem como uma peça original, que partem de articulações diversas entre a imagem e o som (a música, o dueto).

Algumas destas obras resultam de vídeos que, libertos das imagens, se apresentam agora sob a forma de objetos sonoros instalados ao longo do espaço da galeria.

Em 2011, o artista apresentou na Solar - Galeria de Arte Cinemática a exposição "Stereo", para a qual realizou "s/título", em colaboração com o músico Adolfo Luxúria Canibal.

Em 2012, na exposição coletiva "2012 Odisseia Kubrick", Onofre apresentou o vídeo "Untitled (2001)", produzido em 2009.

Nascido em 1976, em Lisboa, onde vive e trabalha, João Onofre estudou na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa e fez um mestrado em artes no Goldsmiths College, em Londres.

Tem vindo a realizar exposições individuais em Nova Iorque, Viena, Barcelona, Turim, Paris e Santiago de Compostela e a sua obra está representada, entre outros, no Museu de Arte Contemporânea de Chicago, no Centro Georges Pompidou, em Paris, na The Weltkunst Foundation, em Zurique, e no Museu de Serralves, no Porto.

Também participou com obras suas em exposições coletivas como "Plateau of Humankind", na 49ª Bienal de arte de Veneza, "Human Interest", no Museu de Arte de Filadélfia, "Performing Bodies", na galeria Tate Modern, em Londres, "Youth of Today", na galeria Schirn, em Frankfurt, "An Art, A History 1965-2005 New Media collection", no Centre Pompidou, em Paris.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.