5 peças de ourivesaria setecentista em exposição

Cinco peças de ourivesaria portuguesa setecentista, entre elas a Custódia da Sé Patriarcal, proveniente do Tesouro da Sé de Lisboa, vão estar em exposição a partir de quarta-feira no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa.

A exposição intitula-se "Splendor et Gloria" e uma fonte do museu disse hoje à agência Lusa que reúne pela primeira vez cinco peças de "exceção" da ourivesaria portuguesa da época, quatro delas com intervenções de restauro ou limpeza.

Além da Custódia da Sé Patriarcal (Lisboa), estarão patentes ao público a Custódia da Bemposta, obra-prima da coleção do MNAA, o Resplendor do Senhor Jesus dos Passos (Lisboa), o Resplendor do Senhor Santo Cristo dos Milagres (Ponta Delgada) e o Hábito

Grande das Três Ordens Militares (Lisboa).

O objetivo da exposição, segundo o museu, é apresentar ao público um conjunto de joias que "ilustra o esplendor artístico da corte de Lisboa durante o século XVIII e o protagonismo de vários artistas excecionais".

Entre eles contam-se os arquitetos João Frederico Ludovice e Mateus Vicente de Oliveira, o escultor Joaquim Machado de Castro, e os joalheiros da Coroa Adão e Ambrósio Pollet.

Os comissários da exposição "Splendor et Gloria" são Anísio Franco, António Filipe Pimentel, diretor do museu, e Luísa Penalva.

Contactada pela agência Lusa sobre o restauro das obras que vão ser expostas, a comissária Luísa Penalva indicou que "à exceção da joia do Palácio Nacional da Ajuda [o Hábito Grande das 3 Ordens Militares], todas as peças foram sujeitas a uma intervenção mais ou menos profunda consoante o grau de necessidade".

"Ambas as custódias foram profundamente tratadas, o Resplendor do Senhor Santo Cristo dos Milagres foi limpo, e realizou-se uma fixação sumária das pedras que se encontravam em destacamento. O Resplendor da Graça foi apenas limpo", indicou a conservadora à Lusa.

A especialista indicou ainda que todos os restauros foram efetuados no Laboratório José de Figueiredo, em Lisboa.

A Custódia da Bemposta - peça com o número de inventário nº 1 da coleção de Ourivesaria do MNAA -- é pertença histórica do acervo do museu, e a Custódia da Patriarcal é proveniente do Tesouro da Sé de Lisboa.

Luísa Penalva indicou ainda que o Resplendor do Senhor Santo Cristo dos Milagres veio do respetivo Santuário, em Ponta Delgada, e o Resplendor do Senhor dos Passos da Graça, é proveniente da Real Irmandade da Santa Cruz e Passos da Graça.

A inauguração está prevista para quarta-feira, às 18:00, e a exposição ficará patente na Sala do Teto Pintado do MNAA até ao dia 04 de janeiro de 2015.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG