Portugal "de mão em mão" na Bienal de Veneza

A representação nacional no evento, condicionada aos 150 mil euros do orçamento, faz-se em forma de jornal.

Não há dinheiro, mas há pavilhão na 14.ª edição da Bienal de Arquitetura de Veneza. Ou, pelo menos, nas palavras do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, há uma "solução criativa" que cabe nos 150 mil euros de orçamento para mostrar o que se está a fazer em Portugal: um jornal em inglês, Homeland - News from Portugal, que será distribuído entre 7 de junho e 23 de novembro.

Notícias de Portugal que chegarão três semanas depois do fim oficial do programa de ajustamento da troika (19 de maio), no momento em que o País terá sobre si os holofotes da imprensa internacional. "A imagem que transmitimos não tem de ser de novo-riquismo ou materialidade, não é porque acaba o programa que temos de fazer um pavilhão deslumbrante", afirma Barreto Xavier, ao DN, no final da conferência de imprensa de apresentação do projeto, ontem, na Biblioteca Nacional, em Lisboa.

O jornal terá três edições de 55 mil exemplares cada e será distribuído pelo recinto da bienal, através de duas máquinas automáticas (a publicação é grátis) e por alguns ardinas, explica o arquiteto Pedro Campos Costa, comissário do projeto deste "pavilhão portátil", como lhe chama Barreto Xavier. Os 165 mil jornais em circulação pela cidade italiana deverão chegar a quase todos os visitantes.

Há dois anos, 170 mil passaram pelo evento da cidade italiana. "É ambicioso", diz Campos Costa. "O sucesso só se poderá avaliar em Veneza", diz o secretário de Estado.

A partir do tema Fundamentals, proposto pelo arquiteto holandês Rem Koolhaas, diretor desta edição da Bienal, Pedro Campos Costa concentrou-se na habitação. Nas páginas de Homeland vai fazer-se a avaliação e evolução do tema em Portugal (no ano em que, aliás, se comemoram 40 anos do nascimento do projeto SAAL - Serviço Ambulatório de Apoio Local, em que trabalharam Siza Vieira, Souto Moura e Gonçalo Byrne entre outros), e, por outro lado, mostra-se o crescimento de seis projetos urbanísticos, pedidos a seis ateliers portugueses, em parceria com seis arquitetos, em seis municípios portugueses, com seis tipologias diferentes.

Porto, Matosinhos, Loures, Lisboa, Setúbal e Évora são os seis municípios portugueses que acolhem os projetos de seis ateliers e seis arquitetos--editores, que o jornal Homeland - News from Portugal irá acompanhar durante os seis meses de duração da Bienal de Arquitetura de Veneza. Cada dupla trabalha uma tipologia habitacional diferente: a temporária (LIKE Architects e Mariana Pestana, no Porto), a informal (Ateliermob e Paulo Moreira), a unifamiliar (Sami Arquitetos e Susana Ventura, em Setúbal), a coletiva (ADOC e Miguel Eufrásia, em Loures), a rural (Miguel Marcelino e Pedro Clarke, para Évora) e a de reabilitação (Artéria e André Tavares, em Lisboa).

Leia mais pormenores no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.