Dois dias para espreitar a casa de (alguns) vizinhos

Setenta edifícios estarão de portas abertas no fim de semana. Se lhe pedirem para tirar os sapatos não estranhe.

A casa que o arquiteto João Favila desenhou para a família na Baixa, num edifício do século XVIII, é uma das nove casas de habitação que vão estar de portas abertas no próximo fim de semana, dias 11 e 12, durante a terceira edição da Lisboa Open House. Em duas delas, em Santa Isabel, obras de Ricardo Bak Gordon, vai ser preciso tirar os sapatos ou, em alternativa, calçar uns pés hospitalares que a Trienal de Arquitetura providencia, para não danificar a alcatifa branca.

Em algumas é preciso marcação (através do site lisboaopenhouse.pt), em outras vale a ordem de chegada.

Os palácios continuam a ser os mais desejados, à terceira edição. São 70 os espaços visitáveis, de várias tipologias, mais 27 do que há um ano. Uma das novidades é a Casa da Severa, polo do Museu do Fado, tutelado pela Câmara Municipal de Lisboa, hoje um restaurante (e finalista dos prémios FAD 2014). Os espaços vão da Torre de Controlo Marítimo, de Gonçalo Byrne, em Algés, ao Parque das Nações e à sede da Vodafone Portugal, prémio Valmor em 2005, um edifício que ocupa dois quarteirões, da autoria de Alexandre Burmester (2000 e 2002).

A Lisboa Open House, filial da Open House Worldwide é uma iniciativa gratuita e sem fins lucrativos que começou em 1992, em Londres, e se realiza hoje em 24 cidades do mundo. Destina-se aos habitantes das cidades, ainda que sejam os estudantes e profissionais de arquitetura os seus maiores "clientes". Há um ano, foram 16 mil os visitantes.

Leia mais na edição impressa e no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.