ARX: Arquivo ou os 20 anos de trabalho dos irmãos Mateus

A arquitetura volta à programação do CCB nos 20 anos do Centro Cultural de Belém. A primeira é "ARX: Arquivo", passeio pelos 20 anos de experiência do ateliê de José e Nuno Mateus e pela maneira como pensam os seus edifícios, inaugurada hoje. Com um piscar de olhos a 1993.

José e Nuno Mateus, jovens promessas da arquitetura então, assinavam a instalação sonora "Realidade Real" que esteve em exposição na inauguração do Centro Cultural de Belém. Uma referência que não passou despercebida na hora de escolher qual seria a primeira exposição produzida pelo CCB para a Garagem Sul, antigo parque de estacionamento convertido em espaço dedicado a exposições.

"ARX: Arquivo" resgata a memória dos dois arquitetos a partir das suas maquetas. Estavam encaixotadas no ateliê dos arquitetos, mas a partir de hoje podem ser vistas espalhadas em 241 caixas de bétula sobre cavaletes desenhadas por José e Nuno Mateus. "Gabinete de curiosidades", chama-lhe o curador da exposição, Luís Santiago Baptista. Objetivo: "Mostrar o espólio, não só como investigação mas mostrando também avanços e recuos." José Mateus sublinha: "Muitas vezes mostra-se um esquisso final ou um desenho-chave e já está mas não é só isso."

A ideia é "mostrar o arquiteto a pensar", diz Santiago Baptista. José Mateus esclarece: "Há muitos falhanços, avanços e recuos. Parece que vamos fazer uma coisa mas há uma desistência".

Nuno Mateus aponta, por exemplo, as múltiplas maquetes que foram feitas para o aquário do Museu Marítimo de Ílhavo, que já tinha sido desenhado pelos dois arquitetos. Uma fila completa de caixas, e dentro delas pequenas maquetes, mostra todos os passos que foram dados.

O percurso da exposição, com as maquetas dos edifícios que foram realmente construídos pendurados dão também um noção da história do ateliê ARX, que surpreendeu o próprio José Mateus. "O Museu Marítimo de Ílhavo que está a meio destes 20 anos [cerca de 1997] está muito lá ao fundo. Trabalhamos mais do triplo nos últimos dez anos."

Contextualizando o trabalho dos arquitetos, há uma parede de 60 metros de comprimento carregada de referências do coletivo ARX (desenhos, artistas e obras), um "Atlas que procura atravessar o trabalho e explica esta produção", sublinha Luís Santiago Baptista. No lado oposto, cinco filmes assinados pelo arquiteto Carlos Gomes que mostram o aquário do Museu Marítimo de Ílhavo, o centro comercial Fórum Sintra, o Conservatório de Cascais, uma escolha de Caneças e Centro Regional de Sangue de Coimbra depois de habitados.

A exposição pode ser vista até 27 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.