"Aqui a cultura fez-se enquanto política pública"

O presidente da Fundação Cidade de Guimarães afirmou hoje que, na Capital Europeia da Cultura Guimarães 2012, a "cultura fez-se enquanto política pública" e que do evento resultou um território "mais apetrechado", com "vontade de construir o futuro".

João Serra discursava no início do espetáculo "Então Ficámos?", que marca a passagem do testemunho de Capital Europeia da Cultura (CEC) de Guimarães para Kosice (Eslováquia) e Marseille-Provence (França), assim como o arranque das últimas 48 horas em que Guimarães ostenta o título de CEC.

Na mesma cerimónia, o presidente da Câmara Municipal de Guimarães, António Magalhães, deu conta que o sentimento é de "dever cumprido".

Segundo João Serra, em Guimarães 2012, "a nova criação juntou-se ao património" e a cidade está no" princípio e no fim "deste projeto.

"Aqui, a cultura fez-se enquanto política pública e em colaboração com o nível associativo e privado/empresarial", afirmou Serra.

De um ano que o responsável por Guimarães 2012 considerou como "memorável", a cidade de Guimarães ficou com um "espaço publico enriquecido" e com um "território mais apetrechado, com parecerias para a Cultura".

Para o presidente da Fundação, em Guimarães 2012, a "cultura não perdeu de vista a dimensão económica e urbana e integrou a dimensão educativa e social", juntando "a nova criação ao património" ao longo do projeto.

"De Guimarães, cidade portuguesa, europeia e universal, nós afirmamos a nossa vontade de construir o futuro em nome do melhor que somos", concluiu Serra.

Também António Magalhães referiu o valor económico da CEC, salientando que a "Cultura tem importantes impactos no tecido económico" e que Guimarães 2012 foi uma "oportunidade de investimento" para empreendedores, resultando em "novos negócios, bares, restaurantes e hotéis".

Seguindo o autarca, o sentimento é agora de "dever cumprido", cinco anos após o inicio da "aventura" que foi Guimarães 2012.

"Cumprimos ao apostar na nova criação. Cumprimos ao reforçarmos a valorização do nosso património, físico e imaterial. Cumprimos ao provar a importância das estruturas artísticas de Guimarães", apontou.

Magalhães destacou ainda o que fica no final de Guimarães 2012: "Investimos numa rede de equipamentos única no país. Investimos nos lugares de produção de conhecimento. Reforçamos as nossas competências".

Para o autarca Guimarães "trouxe um exemplo" à Europa e ao mundo.

"Uma cidade que se reforça, colocando a cultura no centro das suas políticas, apostando desta forma no futuro que aí vem", declarou.

Guimarães assinala este fim-de-semana o final do ano em que é Capital Europeia da Cultura com 48 horas de eventos pela cidade.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG