A soul de Jorja Smith é a nova aquisição do Super Bock Super Rock

É uma das vozes da banda sonora de Black Panther e atuará no terceiro dia do festival que decorre de 19 a 21 de julho

Tem 20 anos e surgirá no último dia em que o Super Bock Super Rock (SBSR) volta a ser vizinho do rio Tejo. Entre 19 e 21 de julho o festival, que irá para a sua 24.ª edição, leva ao Parque das Nações nomes como The xx, Justice, Travis Scott, Slow J, Julian Casablancas & The Voidz, Oddisee & Good Company, ou Olivier St. Louis. Ontem conheceu-se mais um: o da britânica Jorja Smith.

É autora de Blue Lights , canção que põe o dedo na ferida da discriminação racial e que o rapper Drake levou à sua rádio Ovo Sound, abrindo a porta a um sucesso que se traduziu depois em milhões de ouvintes no Soundcloud e no Spotify, além do aplauso da crítica. Recentemente, tornou-se numa das vozes da banda sonora de Kendrick Lamar para o filme da Marvel Black Panther. Aguarda-se o disco de estreia em nome próprio. Por agora, On My Mind, Let Me Down e Beautiful Little Fools são alguns dos já grandes sucessos de Jorja Smith.

"2 mais 0 mais 1 mais 8 é igual a 11. E 11 é o meu número preferido de sempre", diz a cantora, citada no comunicado da Música no Coração, promotora do festival. Smith passará ainda pelo festival Coachella no deserto do Colorado, parte de uma digressão americana praticamente esgotada, antes de chegar a Portugal. Aprendeu a tocar o primeiro instrumento quando tinha apenas oito anos e pouco depois receberia alguma formação de canto clássico, que acabaria por influenciar a forma como canta.

O seu manager descobriu-a quando ela tinha 15 anos, em 2012, enquanto cantava uma versão de Too Close, de Alex Care. Agora, avisa, numa entrevista ao Standard que quer ser "internacional, estar nos ouvidos de toda a gente". Portugal chegou à sua lista.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.