A Mãe é Que Sabe: viagens no tempo com bacalhau com natas

Uma família portuguesa à mesa com uma matriarca que alucina e viaja no tempo. É assim o filme de estreia de Nuno Rocha. O DN foi espreitar as filmagens, numa casa lisboeta

No novo cinema português há jovens cineastas que não querem ser o próximo João César Monteiro ou o próximo António Reis. Querem antes fazer um cinema de matriz narrativa e sem medo de uma aproximação a um modelo americano. Nuno Rocha, conhecido de curtas premiadas como 3x3 e Vicky and Sam, estudou nos EUA e está a agora a estrear-se nas longas-metragens, com A Mãe É Que Sabe, uma produção de Pandora da Cunha Telles, e acredita que a sua linguagem pode chegar a um público generalista, ao chamado "grande público".

Quando o DN visita o plateau num apartamento pouco espaçoso mas com muitas divisões no centro de Lisboa, assistimos a uma cena de refeição de uma família. Essa é precisamente a cena que atravessa o filme em três tempos diferentes. A Mãe É Que Sabe passa-se essencialmente à mesa numa refeição de bacalhau com natas e a partir daí salta no tempo e pula por entre hipóteses de realidades paralelas como num jogo espaço temporal com o destino. A mãe, interpretada por Maria João Abreu, começa a ter visões ou alucinações de como a sua vida poderia ter mudado se tivesse feito isto ou aquilo, um pouco como acontecia em Instantes Decisivos, de Peter Howitt, com Gwyneth Paltrow.

Num intervalo da rodagem, Dalila Carmo, a irmã da mãe, ajuda a explicar: "Isto é um filme sobre uma família disfuncional igual a tantas outras mas com uma parte também de fantasia. Mais do que um filme de construção de personagens, é um filme de reações. Como estamos sempre a comer em cena lembrei-me dos filmes do Kechiche. Há uma relação forte com a comida e com o vinho." Um filme português em que a personagem principal tem a máquina do tempo na sua cabeça é, no mínimo, raro no nosso panorama: "Sim, é verdade. Será quase humor negro e nonsense. Gosto do absurdo e isto não é mesmo comédia óbvia como estamos habituados a ver. Para mim, é um bocadinho teatro do absurdo. Estou a adorar!", exclama a atriz.

Como tudo se passa em décadas diferentes, as mesmas personagens são interpretadas por atores diferentes. A versão mais nova da mãe é interpretada por Filipa Areosa e Dalila do Carmo fica mais jovem por intermédio da atriz Catarina Rebelo.

Uma comédia conceptual feita por um estreante não deixa de ser matéria de risco para a produtora Pandora da Cunha Telles, da Ukbar Filmes e responsável por Florbela, de Vicente Alves do Ó. A Mãe É Que Sabe não tem subsídios do Estado e terá custado um pouco menos de 400 mil euros, tendo já estreia marcada para o fim do ano pela Cinemundo.

A própria explica como se meteu nesta aventura: "Tenho seguido a carreira do Nuno Rocha nas curtas-metragens. Foi um namoro longo do qual saíram algumas tentativas falhadas de colaboração mas um enorme desejo de trabalharmos juntos. Recentemente decidimos fazer um corta-mato neste namoro e "propusemos-lhe casamento" com este guião de comédia que surgiu do Lab LOL Filmes. Há alguns anos criámos na Ukbar um branding interno para filmes de comédia e género chamado LOL Filmes. E tendo por base várias ideias originais de histórias familiares contratámos argumentistas de comédia para desenvolver guiões. Alguns destes tiveram apoio do ICA ao desenvolvimento, outros à produção, este decidimos avançar recorrendo a patrocínios, distribuidores e um canal de TV, a RTP."

No plateau, Nuno não parece acusar a pressão apesar de tossir algumas vezes devido a uma alergia aos ácaros. Conta-nos que é duro filmar apenas em três semanas e com constrangimentos financeiros, mas não se queixa. Nota-se que quer manter os valores estéticos dos seus filmes publicitários da sua produtora nortenha, a Filmes da Mente. Por isso, manda esperar até dizer "ação!" depois de os fumos serem libertados e fala também muito com Luís Branquinho, o diretor de fotografia. Como nos conta, quer fazer um filme popular mas não popularucho.

Maria João Abreu acrescenta: "É um filme para a família inteira ir ver! Além do mais, temos um elenco de luxo." Além dos já referidos, à mesa com o bacalhau estão entre outros Manuel Cavaco, Manuela Maria e Carlos Santos.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.