25ª edição do Curtas arranca com uma longa de luxo

A partir de hoje, 8 de julho, e até dia 16, são várias as razões, e não apenas cinematográficas, para rumar a Vila do Conde.

O Festival Curtas Vila do Conde tem sempre dois fins de semana. Em ano de aniversário sonante, a organização apostou num arranque fortíssimo. Este fim de semana não é para encher calendário mas sim para obrigar cinéfilos de todo o país a viajar ate à capital do cinema português.

A cidade do Rio Ave tem uma sessão de abertura de luxo: hoje passa às 18.30 em antestreia nacional O Outro Lado da Esperança, o novo de Aki Kaurismaki, um dos títulos mais sonantes da próxima rentrée. O filme é exibido na secção Da Curta à Longa (as curtas de Kaurismaki já passaram no Curtas) e conta a história de um refugiado sírio que chega a Helsínquia e é adotado pelo dono de um restaurante prestes a fechar numa zona obscura da cidade. Pode não ser um Kaurismaki vintage, mas tem um humor humanista que por vezes comove.

Ainda sem data de estreia nas salas, às 23.00, na mesma sala do Teatro Municipal chega Certain Women, de Kelly Reichardt, enorme trunfo. O filme foi selecionado para os melhores festivais do mundo e tem um elenco onde se destacam Kristen Stewart, Michelle Williams e Laura Dern. Um luxo!

Amanhã, o Curtas continua a parecer-se com um festival de longas e tem encontro marcado com Sandro Aguilar, que às 21.15 apresenta a estreia mundial de Mariphasa, o sucessor de A Zona. No mesmo dia, às 18.00, é lançado o livro Curtas Vila do Conde: 25 anos, 25 Histórias e a exposição fotográfica A Glória de Fazer Cinema em Portugal.

O local é o Auditório Municipal, a antiga casa do festival. A nível de concertos, o arranque está a cargo dos vila-condenses Evols, no domingo a partir das 23.30, enquanto na segunda-feira é a vez das Pega Monstro, pelas 23.30.

A abertura do Curtinhas, a secção infantil, será ainda hoje às 15.30 com o nada entusiasmante Gru - O Maldisposto 3, talvez a única pedra no sapato deste cardápio...

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.