Samuel Eto'o rosto de África

Artur Jorge lembra o miúdo tímido e sem manias

A vida de Samuel Eto'o confunde-se com os golos, com a história do país onde nasceu - Camarões - e até com a do continente africano. E por isso, segundo o realizador camaronês Jean-Pierre Bekolo, merece ser contada: "É a história de um jovem que sonha ser uma estrela do futebol e consegue. Ao fim e ao cabo, é o sonho de todas as crianças do continente."

Eto'o tornou-se no melhor marcador de sempre da Taça das Nações Africanas (CAN), com 16 golos, na edição de 2008 que os Camarões perderam para o Egipto na final. O avançado do Barcelona quebrou o recorde de Laurent Pokou, que fez 14 pela Costa do Marfim. A marca durou 38 anos. "Estou realmente feliz por ter colocado o meu nome no livro dos recordes da Taça de África e passar o recorde de uma lenda", disse. A diferença é que Eto'o fez 16 golos em quatro edições e Pokou apenas em duas (1968 e 1970). Além disso o camaronês revalidou o título de melhor marcador da prova (cinco golos), um troféu que levou para casa nas últimas três edições consecutivas (2004, 2006 e 2008).

O português Artur Jorge treinou Samuel na selecção dos Camarões e acompanhou o crescimento do jogador, da pessoa e do mito: "O que posso eu dizer do Eto'o? É um avançado fantástico, marca golos no Barcelona, marca golos nos Camarões. Marca golos em todo o lado. Por isso não me surpreende o recorde. Era algo que estava guardado para ele. Merece-o." O treinador português lembra ainda o "miúdo simples, tímido e sem manias de estrela" que lhe foi muito útil enquanto técnico dos Camarões. "Estava sempre disponível para ouvir e ajudar a passar a mensagem. Como pessoa, tem um coração enorme e exemplifica bem o espírito livre e trabalhador do Camarões", recorda.

Mas, para Artur Jorge, comparar Eto'o ao maior rosto de sempre do futebol africano, Roger Milla, é uma utopia. Porquê? "Porque para os mais jovens o que interessa é o presente. Eto'o é o maior. Se perguntar por Milla, a maior parte não sabe quem é. A história faz-se com os presentes." Para o próprio Milla, ídolo de infância do camaronês, "Eto'o é um grande talento e merece tudo o que conquistou no futebol."

A importância de Eto'o para o futebol africano ficou bem eviden- te quando foi o escolhido para ser o rosto do Mundial de 2010, organi- zado pela África do Sul. No cartaz de promoção do torneio, a pró- pria cara de Eto'o serve de fundo ao mapa do continente africano.

De resto, refira-se que o jogador do Barcelona terá a sua vida retratada em filme. A película já tem estreia agendada no prestigiado Festival de Cannes de 2010, ano do Mundial da África do Sul.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG