Queda de telhado mata homem na fábrica da Tupperware

Funcionário externo montava ar condicionado no tecto sem arnês

Queda de telhado mata homem na fábrica da Tupperware

Um homem, de 32 anos, morreu ontem em Montalvo, Constância, ao cair de uma altura de cerca de 10 metros. O acidente aconteceu às 15.20, na fábrica da Tupperware. O trabalhador, que teve morte imediato, pertencia a uma empresa externa, estava a montar um ar condicionado industrial no telhado da fábrica quando a estrutura cedeu.

"As telhas são de fibrocimento e com a chuva devem ter ficado mais instáveis e acabaram por ceder ao peso", explicou ao DN fonte dos Bombeiros de Constância. Segundo a mesma fonte, o homem não terá cumprido os requisitos de segurança e acabou por cair dentro do pavilhão daquela fábrica. "Não estava a utilizar o arnês", frisou.

Rui Nobre, director de comunicação da empresa americana, ainda tentou sentir o pulso do sinistrado: "já não tinha pulso apesar de prontamente assistido", contou ao DN, visivelmente abalado. "Caiu desamparado dentro da unidade fabril e teve morte imediata", disse.

Segundo explicou Rui Nobre, "a fábrica tem uma Brigada de Emergência muito bem preparada e que vedou imediatamente o local pelo que poucos trabalhadores terão visto o corpo do homem".

O responsável adiantou que a empresa está há 26 anos a laborar em Montalvo e que não tem registos de acidentes. Ressalva que "foram accionados de imediato os sistemas de emergência e de primeiros socorros e foi feita a comunicação do ocorrido às autoridades competentes bem como à Autoridade para as Condições de Trabalho", que se deslocou à empresa para averiguar os factos.

Na fábrica de Montalvo, trabalham 370 pessoas divididas por três turnos e pelos fins de semana. É a única filial da multinacional americana que fabrica caixas de plástico no País. A Tupperware chegou a Portugal em 1965 e, segundo o site da marca, conta actualmente com dez mil demonstradoras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.