'Peanuts' da primeira à última tira em 11 anos

Publicar 17 mil tiras até 2016 é o objectivo da Afrontamento

Snoopy deixa de ser um simples cão sem fala e vai ganhando consciência de si. Uma consciência muito crítica. E há Lucy, Linus, Schroeder, Patty, Violet, Shermy, Pig-Pen e Charlie Brown. Havia Charlotte Brown, mas essa ficou pelo caminho, "efémera", em tiras anteriores. São nove as personagens resistentes criadas por Charles Schulz no início da década de 50. Assistimos à sua evolução, à construção dos seus caracteres tira a tira, em jornais e revistas; tira a tira, muitas, que foram sendo recortadas e coleccionadas por fãs ao longo de gerações. Essas tiras estão a ser editadas pelas edições Afrontamento. Os primeiro dois volumes saíram em 2005. Agora saem mais dois e o compromisso da editora é o de, em 11 anos, publicar Peanuts, Obra Completa, da primeira à última tira.

"Pela primeira vez estão compiladas todas as tiras das personagens criadas por Schulz", referiu ao DN a coordenadora editorial da Afrontamento, para quem esta edição alia o interesse editorial "a uma enorme dimensão afectiva". Para Andreia Peniche, uma das grandes mais valias desta obra é justamente poder assistir à evolução de personagens cuja dimensão ultrapassou a banda desenhada e ganharam quase vida própria.

Os primeiros dois volumes, que tal como estes podem ser comparados numa caixa ou em separado, venderam cerca de dois mil exemplares, número considerado "razoável", tendo em conta o público comprador de BD em Portugal, considera Andreia Peniche. Cada volume corresponde a dois anos de criação das "tiras dominicais" de Schulz, e os mais recentes dizem respeito a 1955-1956 e 1957-1958, com prefácios respectivamente de Matt Groening e de Jonathan Franzen. Em 2016 deverão estar nas livrarias os dois últimos, e completos dos Peanuts, sobre os quais Groening, recorrendo ao imaginário colectivo, disse: "Excitavam-me a crueldade acidental e as humilhações sem premeditação. (...) Eram não só divertidos, mas como pareciam emocionalmente reais."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.