'Os Contemporâneos' vão ter terceira série em Abril

Humor. "Portugal é um país muito inspirador para se fazer humor", disse Nuno Markl ao DN na apresentação do DVD da primeira série deste programa de 'sketches'. Bem-disposto, o elenco admitiu que não encara os outros programas de humor como concorrência e que as críticas são construtivas

OsContemporâneos prepararam-se para uma terceira série que vai estrear-se em Abril de 2009, anunciou ontem José Fragoso, director de Programas da RTP1, no lançamento do DVD com os sketches da primeira temporada desta série de humor.

"Este é um programa que nasce da vontade de fazer um conteúdo humorístico. Já conseguimos duas séries e é um projecto que se diferencia na área", disse o director.

As personagens "contemporâneas" já conquistaram o seu lugar. Que o diga Nuno Lopes quando interpreta aquele que ficou conhecido simplesmente como o "chato". "A personagem era para ser uma pessoa normal, só que chata. Mas depois mudámos, porque se fosse totalmente normal... levava um murro", conta o actor. Já Nuno Markl, autor da personagem, afirma que o "chato" "é uma pessoa ultracontemporânea e ultranacional porque é típico do português mandar os outros trabalhar enquanto o próprio não faz nada".

A equipa é composta por Bruno Nogueira, Carla Vasconcelos, Dinarte Branco, Manuel Marques, Eduardo Madeira, Nuno Lopes e Nuno Markl e a mais-valia deste trabalho conjunto advém do facto de terem máxima liberdade para produzir, segundo disse Nuno Artur Silva, director das Produções Fictícias.

Mas porque é tão importante existir humor em Portugal? Nuno Markl responde: "Portugal é muito inspirador, apesar de curto em termos de pessoas 'gozáveis'." "Em alturas de crise é importante haver humor para a comentar", acrescenta.

Bruno Nogueira considera o humor como " uma forma de assimilar o dia-a-dia, uma maneira diferente de ver as coisas". Este humorista recorda o sketch do casamento gay cigano como um dos que lhe deu especial prazer. Mas este foi um episódio que gerou polémica. Como estão habituados a lidar com as críticas? "Geram- -se sempre críticas. Mesmo se for um ecrã branco com um de nós de pé, as pessoas vão criticar porque devia estar sentado", responde.

O argumentista Nuno Markl sustenta esta resposta e diz que "a partir de críticas negativas consegue-se melhorar muitas coisas".

A propósito de outros programas de humor como Zé Carlos ou Telerural, estes humoristas não os vêem como concorrência. Markl acrescenta que, aliás, têm "uma relação muito boa". "As pessoas é que gostam sempre de uma coisa em detrimento de outra", justifica Bruno Nogueira.

Depois do êxito que permitiu o salto para o DVD, é caso para dizer "vão trabalhar como as pessoas!", embora seja frase que os "contemporâneos" não precisem de ouvir.| Com A.M.

Ler mais

Exclusivos