Lógica favorece regresso de Helton à titularidade

Com a recepção ao Dínamo de Kiev, amanhã, já no horizonte, uma dúvi-da inquieta os espíritos portistas: Nuno ou Helton na baliza? Apesar das recentes boas exibições de Nuno, a lógica deve prevalecer a favor do brasileiro.

Nuno Espírito Santo, aquele que já foi para José Mourinho o segundo melhor guarda-redes português, quando Vítor Baía estava no activo, mostrou-se em grande plano na vitória azul e branca em Alvalade, tendo repetido a exibição imaculada na Sertã, onde teve de se aplicar por duas vezes antes de o FC Porto inaugurar o marcador.

Por outro lado, Helton está recuperado fisicamente do torcicolo que o afastou do jogo com o Sporting e tem sido - quando a 100% fisicamente - titular inquestionável com Jesualdo Ferreira, que ratificou a decisão tomada por Co Adriaanse a meio da época 2005/2006, quando o holandês promoveu a passagem de testemunho de Vítor Baía para Helton após uma derrota na Amadora. Com Jesualdo, no Dragão desde o início da época 2006/2007, a baliza sempre foi de Helton. E o técnico tem confiado sempre nas qualidades do brasileiro, mesmo depois de uma exibição menos conseguida.

Depois, a lógica favorece claramente Helton. Nos jogos da Taça de Portugal, Jesualdo (à semelhança de muitos treinadores) costuma utilizar o segundo guarda-redes. Se Helton estava recuperado e Nuno foi o escolhido para defrontar o Sertanense, parece indicar que Helton será titular com o Dínamo.

O FC Porto regressou ontem ao trabalho, depois da goleada na Sertã para a Taça de Portugal, com os uruguaios Jorge Fucile e Christián Rodríguez a treinarem ainda de forma condicionada. Ainda assim, devem ser opção para o D. de Kiev. - B.P.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.