Portugal faz reviravolta nos últimos minutos

Portugal conseguiu ontem um difícil e precioso triunfo na visita ao Montenegro, por 2-1, que lhe permite manter viva a esperança de apuramento directo para o play-off do Euro 2009 de futebol sub-21, na Suécia. Porém, os portugueses não conseguiram recuperar a liderança do Grupo 3, uma vez que a Inglaterra também ganhou o seu jogo com a República da Irlanda (3-0). Os ingleses comandam com 12 pontos, mais três do que os portugueses. No dia 20 de Novembro estas duas selecções defrontam-se em Portugal.

Os três golos do jogo em Podgorica foram portugueses. O primeiro num lance infeliz de João Moreira (aos 35 minutos), que deu a vantagem a Montenegro, mas Pelé (76) e Tiago Targino (82) operaram a reviravolta quando a descrença já parecia reinar, num desafio complicado, em que a selecção nacional viu dois remates serem travados pelos ferros da baliza.

Forçado a vencer para ainda sonhar com o segundo lugar, Montenegro começou o desafio ao ataque, mas cedo Portugal, que vinha de uma derrota com a Bulgária (1-0), estabilizou o seu jogo e João Moreira quase marcou (15). Os pupilos de Rui Caçador ameaçavam no ataque, mas vacilavam na defesa e foi num desses lances que foram penalizados.

Aos 35 minutos, após canto, o guarda-redes Ricardo Batista hesitou na saída e a bola acabou por bater nos pés de João Moreira e entrou na baliza portuguesa, colocando os anfitriões em vantagem.

O "filme" do jogo contra a Bulgária parecia repetir-se na segunda parte, com a selecção nacional a procurar virar o resultado, mas sem exercer o domínio exigido e durante longo tempo sem criar perigo: na melhor oportunidade, Antunes, de livre directo, atirou à trave (70).

Portugal empatou na sequência de um lance em que revelou ausência de fair-play: Montenegro deitou a bola para fora para Vieirinha ser assistido, mas os portugueses não a devolveram e partiram para o ataque, conquistando um livre.

No lado direito, Antunes atrasou para a entrada da área onde surgiu Pelé a atirar para o fundo das redes (76), perante a indignação dos montenegrinos.

Os comandados de Rui Caçador consumaram a reviravolta aos 82, quando Celestino recuperou a bola no meio campo ofensivo e deixou-a para Targino, que galgou alguns passos e atirou de longe, marcando o segundo golo com a colaboração do guarda-redes, que deixou a bola passar por cima dos braços. | Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.