CP exporta para a Argentina comboios no valor de 27 milhões

A CP realiza entre os dias 10 e 13 deste mês o segundo embarque de material circulante desactivado para a Argentina. A exportação está inserida num contrato de venda assinado em Junho de 2005, com o Governo argentino, no valor de 27 milhões de euros, revelou a CP.

Parte do material que será exportado na próxima semana já se encontra no porto de Setúbal, enquanto o restante vai ficar parqueado nas linhas de acesso à Portucel até ao dia da partida. Esta encomenda contém onze unidades triplas eléctricas série 200, seis locomotivas Brissoneau, uma locomotiva EE 1400, três automotoras Nohab 100 e quatro carruagens.

Até Novembro, a CP estima realizar mais dois embarques de material circulante.

As oficinas da EMEF, empresa de manutenção da CP, no Barreiro, Entroncamento e de Contumil, foram as responsáveis pela reparações no material, que se encontrava fora de circulação devido à electrificação da rede nacional e também por desadequação comercial.

O terceiro embarque tem data marcada para Maio, e no total serão exportadas 26 unidades. O quarto e último embarque previsto no contrato ocorrerá em Novembro, e está prevista a exportação de 22 unidades, entre as quais dez unidades triplas eléctricas, que já circularam na linha de Sintra.

A primeira venda de material circulante à Argentina ocorreu em Junho de 2004. Na altura, o contrato ultrapassou os 3,8 milhões de euros. O material era então composto por 17 automotoras diesel-eléctricas, de via estreita, e tinha sido desactivado do serviço comercial da linha da Póvoa, com a transferência desta via para o Metro do Porto.

Estas vendas integram-se na estratégia de internacionalização da CP, e poderão abrir novos mercados na reabilitação de veículos ferroviários e na assistência técnica a outros operadores ferroviários da América Latina. Técnicos da CP estudaram recentemente o mercado chileno.

A América Latina, por utilizar a bitola (espaço entre os carris) ibérica, é considerado um mercado de oportunidade, sobretudo quando se estuda a migração da bitola utilizada em Portugal para a praticada na Europa. Com a passagem para uma nova bitola o material circulante irá sendo gradualmente modernizado, sublinham fontes do sector.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG