Polícia holandesa detém terroristas

Um homem de 22 anos de origem marroquina foi detido na quarta- -feira à noite em Amesterdão, por suspeita de ligação ao grupo terrorista Hofstad, com base na Ho-lan- da. Segundo o ministro da Justiça holandês, Piet Hein Donner, a detenção do alegado terrorista está directamente ligada à prisão de um holandês pelas autoridades britânicas no mesmo dia, em Londres.

O suspeito foi detido em Amesterdão num carro com duas mulheres - também elas alegadamente membros do Hofstad - na posse de uma metralhadora, munições e um silenciador. Donner disse ontem no Parlamento que a polícia estava a investigá-lo desde Novembro de 2004, após o assassínio do realizador Theo van Gogh. As autoridades acreditam que o homem tem ligações ao líder espiritual do Hofstad, um sírio actualmente em fuga, que assistiu a reuniões em casa de Mohammed Bouyeri - o alegado assassino de Van Gogh.

O indivíduo e as duas mulheres, a companheira, de 21 anos, e a que os conduziu a Amesterdão, de 26, deverão ser hoje ouvidas pelo juiz. O homem detido em Londres também é suspeito de pertencer ao grupo terrorista e as autoridades holandesas já pediram que seja extraditado. "Racid Belkacem, de 32 anos, foi preso numa rua de Whitechapel, na parte leste de Londres", tinha indicado a Scotland Yard. O comunicado da polícia britânica indicava que a detenção se prendia com "alegadas infracções relacionadas com armas de fogo, falsos documentos e recrutamento ligado ao terrorismo".

Ao todo, 13 alegados membros do Hofstad estão actualmente detidos. De acordo com a justiça holandesa, este grupo tem como objectivo atentar contra a vida de vários responsáveis políticos, como a deputada de origem so-mali Ayaan Hirsi Ali, conhecida pelas duras críticas ao Islão, ou o deputado de extrema-direita Geert Wilders. O Hofstad seria também responsável pela morte de Van Gogh, apesar de a ligação do holandês de origem marroquina Mohammed Bouyeri ao grupo ainda não ter sido provada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG