Jorge Palma regressa 'Só' e em livro

A surpresa - que deixará de o ser dentro de breves caracteres - aguarda os fãs sobre uma banca colocada à porta da sala já esgotada alguns exemplares para venda da primeira colecção completa dos poemas de Jorge Palma, livro que apenas chegará às livrarias em Março. Lá dentro, o músico sentado ao piano, talvez com a guitarra à mão de semear uma ou outra harmonia, mas sempre sozinho. Quatro meses após a edição de Norte, o álbum que celebrou a reconciliação definitiva com a composição de originais e consumou o divórcio do álcool, Palma deixa a banda em casa e retoma a relação solitária com a sua música ao estilo 'Só', a colectânea editada em 1991. Esta noite, sobe ao palco do Fórum Lisboa (22.00) e volta a passar em revista trinta anos de canções em formato acústico.

Editado em Novembro, o novo álbum surge depois do registado ao vivo No Tempo dos Assassinos (2002) e três anos depois do homónimo Jorge Palma, que assinalou o primeiro reencontro com os inéditos após uma prolongada ausência - iniciada em 1989, depois da edição do notável Bairro do Amor. O título do novo trabalho - Norte - tem um óbvio sentido geográfico, uma vez que foi gravado no Porto - sob a preciosa e atenta colaboração de Mário Barreiros -, mas carrega também um outro, bem mais simbólico é , como o próprio admite, "o primeiro álbum feito, de raiz, totalmente sóbrio".

A apresentação integral ao vivo deste Norte redescoberto far-se-á apenas sexta-feira no palco do Olga Cadaval, em Sintra. Mas é de adivinhar que alguns dos seus temas - pelo menos aqueles que Palma assegura sozinho com o piano, como Passeio dos Prodígios ou Valsa de Um Homem Carente - sejam integrados na parada de velhos hinos que se adivinham entoados em uníssono - do Bairro do Amor à Terra dos Sonhos, entre Só e Frágil. Uma noite de síntese acústica de um percurso já longo que pode e deve ser seguido com os olhos no valioso roteiro a apresentar pelas Edições Quasi (ver caixa).

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.