Um dia especial para o clã Moutinho

Há datas que têm um significado particular na vida das pessoas. O dia do Pai é um desses dias. Para João Moutinho, 18 anos, jovem promessa do futebol português e do Sporting, o pai, Nélson Moutinho, é uma referência.

Nascido no Barreiro, a 8 de Setembro de 1986, o "lutador" João Moutinho deu nas vistas ao serviço de uma selecção do Algarve. Despertou a cobiça dos responsáveis leoninos e, aos 14 anos, começou a aventura longe do pai, da mãe e dos irmãos (Nélson, 24 anos, David, 20 e Alexandre, três).

Saiu do Portimonense, ingressou nos iniciados do clube de Alvalade e, desde então, passou a morar no Barreiro, na casa do padrinho de baptismo, Joaquim Moreira, um "segundo pai", sublinha Nélson Moutinho.

Como bom filho que é, conta ao DN o orgulhoso Nélson Moutinho, 45 anos, treinador do Lagoa, da III Divisão Nacional e antigo futebolista, João não se esquece nunca do pai nem da restante família. No entanto, a vida profissional do médio do Sporting nem sempre lhe permite ter tempo para aqueles que lhe são mais próximos. Os telefonemas são frequentes, mas a distância de Portimão a Lisboa faz com que as saudades apertem.

Na quinta-feira, em Alvalade, João Moutinho viveu uma noite diferente. Foi titular frente ao Middlesbrough, o Sporting venceu, qualificando-se para os quartos-de-final da Taça UEFA e a exibição do camisola 28 foi muito elogiada.

Mas os triunfos não se conseguem apenas no campo. No final da partida, João recebeu uma visita especial no estádio dos leões. Depois do banho, vestiu o fato de treino, deu um beijo ao pai e tirou um retrato em família. Uma fotografia que vai ficar, certamente, no álbum de recordações de um miúdo, já adulto, cujo futuro tem tudo para ser risonho. "Quando não posso ir a casa, telefono ao meu pai, neste dia especial. Ajuda-me muito e tem sido importante na minha carreira. A prenda fica em segredo", disse o campeão da Europa de sub-17.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?