Gabriel O Pensador apresenta o novo 'Cavaleiro Andante'

Os brasileiros podem finalmente ouvir Tás a ver?, o tema que Gabriel O Pensador fez há dois anos a pensar nos portugueses e para um best of editado só em Portugal. A música, que conta com a participação de Adriana Calcanhotto e ainda com um sample de Sérgio Godinho, integra Cavaleiro Andante, o álbum que o rapper brasileiro lançou esta semana nos dois lados do Atlântico (Sony BMG). "No Brasil, só os fãs mais interessados, que vão procurar tudo na Internet, é que a conhecem", explica Gabriel O Pensador. "Mas desta vez não podia ficar de fora, eu gosto muito dela, é uma música muito especial."

O último disco de inéditos de Gabriel O Pensador, Seja você mesmo mas não seja sempre o mesmo, tinha sido lançado em 2001. Depois disso, editou Tás a Ver? - O melhor de Gabriel O Pensador e o Ao vivo na MTV, ambos em 2003. O interregno deu-lhe tempo para escrever ("o rap é poesia e eu acho que este disco tem o meu lado mais poeta", diz), para improvisar (algumas músicas foram feitas assim, improvisando para o computador), para desfrutar com calma de todas as fases da concepção de um álbum. "Já tinha muita saudade de voltar ao estúdio", revela.

Para o estúdio, Gabriel levou alguns dos seus parceiros habituais, como os produtores Itaal Shur e Leandro Neurose, e contou ainda com participações especiais - como a do norte-americano Troy High- towers, que lhe foi aconselhado por Boss AC para fazer as misturas. "Queria voltar ao som electrónico. Este disco tem alguns temas que são mesmo para dançar, mais club, com um beat mais forte do que os anteriores", explica. Em termos temáticos, o álbum combina um lado mais solar, de boa onda, com as habituais preocupações do Pensador. Exemplo da primeira linha são temas como Deixa Rolar (com a participação vocal de Negra Li), 12 Meses por Ano ou Rap do Feio (onde brinca com Que Beleza de Tim Maia, porque afinal, diz, "está tudo beleza"). Do outro lado, estão os temas de denúncia social, como Sem Neurose ("sem neurose, sem grilo, com tranquilidade" e com voz de Tom, o filho de três anos de Gabriel), Tudo na Mente, Sorria (com a participação dos Detonautas) ou Tempestade. "Há letras com algum peso, mas não diria pessimismo", considera o rapper, habituado a "desabafar através da música" e a tentar mudar as coisas. "Lá no Brasil a gente está numa fase meio desoladora, por causa da política mas também porque está triste a situação da violência." Como fica claro na letra de Bossa 9 "Se eu reclamo é porque eu amo isto aqui."

Os discos de Gabriel O Pensador estão sempre cheios de citações e este não é excepção. Por aqui passam Carlos Drummond de Andrade ("no meio do caminho pode ter uma pedra", em Cavaleiro Andante), Tom Jobim e Vinicius de Morais (é a partir de Garota de Ipanema que se constrói Bossa 9, música sobre o desencanto de uma geração e a transformação do Rio de Janeiro), Caetano Veloso (ainda em Bossa 9 ouve-se que "o Haiti não é aqui") e até a música do filme 2001 - Odisseia no Espaço (em Neurose). Mas as presença mais notória é mesmo a de Legião Urbana Palavras Repetidas, o single deste álbum, homenageia o mítico grupo brasileiro. Numa música que fala de violência e medo, Gabriel O Pensador usa o sample do refrão de Pais e Filhos para lembrar que "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã". "É uma música angustiante, que passa uma sensação de sufoco, mas ao mesmo tempo quis falar de esperança e de como é possível ultrapassar tudo isso com o amor", explica, adiantando que não se trata de utopia, "é verdade mesmo". Como sempre, entre balas, corrupção e putos de rua , Gabriel lá arranja maneira de deixar uma mensagem positiva, até porque, como se ouve, em Tás a Ver?, na voz de Sérgio Godinho "a vida é feita de pequenos nadas."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.