As aventuras do 'Triângulo Jota' chegam à RTP

O jovem Joel sente uma atracção especial por Iolanda, modelo profissional. Um dia, de forma inesperada, o rapaz vê passar a mulher mesmo à sua frente, e segue-a até casa. A partir daí, começa uma grande e perigosa aventura a vida de Iolanda corre perigo, a ameaça parte de um "grupo organizado de contrabandistas e de uma seita misteriosa". É assim, em traços gerais, o enredo do primeiro episódio da série Triângulo Jota, que a RTP emite a partir de Setembro.

A nova série, que terá para já treze episódios - o primeiro começa a ser filmado na próxima segunda-feira -, é baseada nos romances para a juventude de Álvaro Magalhães, que integram a colecção Triângulo Jota, publicada pelas Edições Asa. Nestas aventuras, com a cidade do Porto sempre como cenário, dois rapazes (Joel Calafate e Jorge Martins) e uma rapariga (Joana Martins) procuram desvendar alguns casos misteriosos do quotidiano.

Os três jovens protagonistas das aventuras são todos do Porto Rita Castelo Branco (Joana Martins), 15 anos, Pedro Roquete Almeida (Joel Calafate), 15 anos e Pedro Ponce de Leão (Jorge Martins), 18 anos.

Durante a apresentação da série, que decorreu ontem, em Vila Nova de Gaia, o director de programas da RTP referiu que Triângulo Jota "destina-se aos jovens, mas pode cativar espectadores mais velhos", e vai passar "nas tardes ou manhãs dos fins-de-semana", a partir do próximo mês de Setembro. Nuno Santos sublinhou que a aposta na ficção portuguesa, por parte da televisão pública, é um projecto para continuar.

Álvaro Magalhães começou a escrever os primeiros livros do Triângulo Jota no final dos anos oitenta. Nunca esperou, revelou ontem, que duas décadas depois tivesse publicado vinte livros. E qual é o segredo para o sucesso literário da série? A resposta pode ser esta " Um bom livro para jovens tem de ser um bom livro para os adultos." Além disso, refere o escritor, no Triângulo Jota não se procura ensinar algo aos mais novos, mas abrir caminho para a "vastidão daquilo que se desconhece".

A produção da nova série televisão é da responsabilidade da Hop!, criada em 2001 por Henrique Oliveira, que já produziu para a RTP, entre outros trabalhos, o Major Alvega e A Minha Sogra É Uma Bruxa. Casa episódio terá a duração de 50 minutos e a história corresponde a um ou a dois romances de Álvaro Magalhães.

Segundo Henrique Oliveira, cada episódio da Triângulo Jota será independente do seguinte. O objectivo, tanto a nível de trabalho de produção como o produto final, será aproximar a série televisiva a um formato cinematográfico.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.