The show must go on

Domingo à noite na televisão portuguesa. Um grupo de famosos - seja lá o que isso for - diverte-se em direto a fazer playback de cantigas conhecidas, com direito a guarda-roupa e coreografia. Resultado das audiências: um milhão de pessoas em Portugal passaram o serão a vê-los e a ouvi-los. O que é que isso nos diz? Que as nossas vidas andam extremamente aborrecidas.

Um milhão de pessoas consideram entretenimento ver outras pessoas a divertir-se. Está ao nível daqueles vídeos do You-Tube com gente a brincar com bonecas e carrinhos - quem tem filhos sabe do que estou a falar. Também estes têm milhões de visualizações: vídeos de outras pessoas a brincar. Não é pegar nas bonecas e nos carrinhos e brincar pela casa, inventar narrativas e perseguições furiosas. Não: são vídeos de gente a fazer isso e algumas dessas pessoas já não são crianças. Estranho? Assustador.

Ou creepy, para usar uma palavra estrangeira que fica sempre bem para reforçar uma ideia, ou como título de um programa de televisão. É o que se passa neste caso. O formato - que por cá leva o nome Lip Sync Portugal, Playback Total - existe em pelo menos 15 países, tendo a ideia nascido nos EUA. Vietname, Filipinas ou Líbano são alguns dos países onde a receita é um sucesso. E agora Portugal.

Depois dos concursos de talento, com cantores a dar tudo o que têm, com acrobatas a tentar o impossível ou sobredotados a mostrar as suas capacidades, o nível de exigência mudou. Desta vez é o playback, mas não vai ser preciso esperar muito para ver quem imita melhor alguém a tocar guitarra (air guitar, um género internacionalmente premiado), quem finge melhor um orgasmo (fake orgasm contest, basta pesquisar na
net), ou quem pode governar um país sem grande empatia ou capacidade de liderança. Chegou a hora de os desprovidos de talento brilharem.

Exclusivos