Mais uma hamburgueria de nome inglês?

O meu pai já não sabe falar do Porto sem entristecer a expressão. «Há uns anos, éramos praticamente só nós e uma garrafa de champanhe nos Aliados.» Eram assim as celebrações de Ano Novo, muito antes de a cidade ser estreitada para os locais e expandida para os turistas.

Os anos começavam com língua portuguesa, entre a Praça da Liberdade e o principal edifício camarário. Ali pelo meio, até se conseguia avistar a senhora que sabia de cor a nossa meia de leite a caminho do trabalho. Agora, o meu pai lamenta que já nem consiga recomendar um bom restaurante (um que, com sorte, não é uma hamburgueria de nome inglês e até sirva rojões).

Na capital, os portugueses abandonam casas em troca de rendas astronómicas, as mesmas que os turistas estão dispostos a pagar. Os despejos são tema sério e atual e há lojas centenárias a fechar à velocidade da luz. O mal coincidiu com o turismo, que entre o muito investimento e desenvolvimento que trouxe a Portugal está a pôr os próprios turistas a deslocar-se até cá para verem mais turistas ainda. E desconfio que saem da cidade sem ouvir falar português.

A secretária de Estado do Turismo diz estarmos longe de sofrer das mesmas dores de crescimento de cidades como Barcelona, mas a massa turística já é um problema quando não nos deixa ver a senhora que nos serve a meia de leite todos os dias do outro lado da Avenida, num 31 de dezembro. Talvez já nem do desenho da cidade ela faça parte, onde muitos cafés de meia de leite já deram lugar a hamburguerias de nome inglês. A língua, as nossas lojas-avós, as ruas, as nossas pessoas e até as nossas casas morrem por acharem que o país está morto para eles. E, ao ver-se sozinho, com o sangue dos seus ao peito, Portugal vai morrendo também.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?