Ronaldo de borbulhas e sem saber lidar com a fama

A jornalista Catarina Carvalho entrevistou um Cristiano Ronaldo bem diferente em Manchester, dias antes da estreia pelo United.

Andei à procura, e nada. Não, não tirei uma selfie com Cristiano Ronaldo quando o entrevistei para o Expresso, acabado de chegar a Manchester, no verão de 2003. Nem fiz a velha versão das selfies, quando um jornalista fascinado pedia ao fotógrafo que o acompanhava que lhe tirasse uma foto.

Eu era isso: uma jornalista fascinada. É por isso que não ter tirado uma foto com ele diz mais sobre Ronaldo do que sobre mim. Ele já era uma estrela. É verdade que tinha 18 anos, muitas borbulhas, dentes tortos, era até bastante franzino - lembro-me de reparar na largura ínfima dos seus quadris, e de mais tarde me ter surpreendido com o trabalho dos ginásios onde, diz-se, passa a vida. Tinha acabado de sair da incubadora do Sporting. Mas estava a chegar a um dos mais importantes clubes do mundo, o Manchester United, na maior transferência feita até essa altura de um jogador da idade dele. E tinha, claramente, consciência do que valia - e ia valer. Manteve a distância, não foi simpático e fez aquela cara de "estou aqui para jogar, não para conversar". E eu, cortei-me e não pedi a fotografia que havia de fazer inveja aos meus amigos.

Sem recorrer à consulta do texto que saiu na revista do Expresso não consigo lembrar qualquer coisa notável que tenha dito, mas lembro-me de ter sido uma entrevista difícil, numa mesa de pedra do jardim do hotel onde estava hospedado, nos arredores da cidade de Manchester. Ele de um lado da mesa, eu do outro. Eu a inventar perguntas, ele a fugir das respostas, sem sorrisos. Desconfortáveis, ambos.

Ronaldo estava rodeado da equipa do seu já empresário, Jorge Mendes, que lhe trouxera, nessa manhã, um saco preto cheio de cartas e coisas que os fãs lhe tinham enviado. Ronaldo abriu o saco e tratou com sobranceria um boné e uma t-shirt para assinar. Atirou-os para o lado - num gesto que achei chocante e de que me lembro sempre que Ronaldo mostra uma outra e muito diferente face, de respeitador dos fãs, de carinhoso com as crianças. Acho que nessa altura, Ronaldo era uma estrela que ainda não se tinha habituado a sê-lo. Vida fora, aprendeu. E terá tido os melhores mestres. A começar por Alex Ferguson, de quem tive que receber aprovação para aquela entrevista, marcada e desmarcada três vezes. Mais tarde, quando entrevistei a mãe, D. Dolores, pensei até que ponto que aquela mulher despachada e doce teria sido influente na carreira daquele jogador, transformando aquele menino mimado com quem me encontrei há 15 anos num homem decente que adoraria entrevistar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.