Premium

1864

Na rua mais pequena de Lisboa cabe Portugal inteiro (e uma boa parte do mundo)

Grande parte da vida na Rua da Betesga acontece dentro de uma mercearia fina onde se vendem produtos de todo o país a clientes do mundo inteiro. Há menos de um século, a rua lisboeta estendia-se pela Praça da Figueira até ao Poço do Borratém.

A Rua da Betesga mede uns dez metros de comprimento por dois passeios estreitos e uma estrada de paralelepípedo com duas concorridas faixas onde se atropelam carros, tuk-tuks, bicicletas e trotinetes. Os dois passeios em calçada portuguesa, um de cada lado, são ladeados por um corrimão. Será a mais pequena de Lisboa mas agiganta-se de boca em boca, mapa fora, no célebre ditado que alude a feitos impossíveis: "Meter o Rossio na Betesga" (e isso pode ser um engano).

Ainda na semana passada a bem-disposta Alice o escutou das enfermeiras e da médica que a atenderam numa consulta de rotina. "Disseram logo que sabiam onde eu trabalhava, mal eu falei na Rua da Betesga." Está há 19 anos do balcão da Mercearia Tavares. Quando começou a vestir a farda da loja fina e garrafeira, ainda havia duas espingardarias naquele cochicho de rua, uma em cada esquina. Uma das lojas de armas deu lugar a uma casa de sandes, que já derivou em pizaria (Dama e Vagabundo, com entrada pela Rua dos Correeiros). A outra espingardaria deu lugar a uma agência bancária, no início da Rua Augusta - e agora há apenas o vestígio de uma instituição que fechou, com restos de verde na montra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.