Premium

1864

Na rua mais pequena de Lisboa cabe Portugal inteiro (e uma boa parte do mundo)

Grande parte da vida na Rua da Betesga acontece dentro de uma mercearia fina onde se vendem produtos de todo o país a clientes do mundo inteiro. Há menos de um século, a rua lisboeta estendia-se pela Praça da Figueira até ao Poço do Borratém.

A Rua da Betesga mede uns dez metros de comprimento por dois passeios estreitos e uma estrada de paralelepípedo com duas concorridas faixas onde se atropelam carros, tuk-tuks, bicicletas e trotinetes. Os dois passeios em calçada portuguesa, um de cada lado, são ladeados por um corrimão. Será a mais pequena de Lisboa mas agiganta-se de boca em boca, mapa fora, no célebre ditado que alude a feitos impossíveis: "Meter o Rossio na Betesga" (e isso pode ser um engano).

Ainda na semana passada a bem-disposta Alice o escutou das enfermeiras e da médica que a atenderam numa consulta de rotina. "Disseram logo que sabiam onde eu trabalhava, mal eu falei na Rua da Betesga." Está há 19 anos do balcão da Mercearia Tavares. Quando começou a vestir a farda da loja fina e garrafeira, ainda havia duas espingardarias naquele cochicho de rua, uma em cada esquina. Uma das lojas de armas deu lugar a uma casa de sandes, que já derivou em pizaria (Dama e Vagabundo, com entrada pela Rua dos Correeiros). A outra espingardaria deu lugar a uma agência bancária, no início da Rua Augusta - e agora há apenas o vestígio de uma instituição que fechou, com restos de verde na montra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.