Cristiano, caçador português de auroras boreais

O jornalista Cristiano Pereira passou 45 dias no Alasca para realizar um documentário sobre auroras boreais. O seu filme "Sarapanta", que ele assina como Cristiano Saturno, estará a 10 de novembro no Cinema São Jorge, em Lisboa, e a 27 no Planetário do Porto.

Sarapanta - significa aquilo que causa espanto, assombro ou pasmo. A Aurora Boreal deixa-nos mesmo assim: assarapantados. Os antigos pescadores dos bacalhoeiros portugueses que costumavam ir para os mares da Terra Nova ou da Gronelândia chamavam Sarapanta à Aurora Boreal.

Nós olhamos demasiado para ecrãs e passamos os nossos dias a deslizar os dedos em touch screens. A contemplação passa-nos ao lado. Estamos raptados pela tecnologia. É urgente fugir de tudo isso e recuperar a capacidade de deslumbramento. Foi por isso que fui para o Alasca caçar Aurora Boreais e tentar fazer um filme sobre essas luzes nos céus do Norte.

Ver uma aurora boreal é uma experiência desconcertante. Sobretudo se for uma aurora muito dinâmica e brilhante. Para um português, é algo novo. Nós crescemos e vivemos a apreciar o pôr-do-sol, o arco-íris, as nuvens, os relâmpagos, a lua, as estrelas, os eclipses, enfim, todas essas maravilhas que acontecem no céu. Mas tudo isso nos é familiar.
A Aurora Boreal é-nos mais estranha, enigmática, inatingível. Acontece longe de nós, lá muito para o Norte, e não é fácil vê-la por várias razões: só surge de vez em quando e para vê-la precisamos de céu limpo e de distância da poluição luminosa das cidades. É imprevisível. Precisamos de sorte e de esperar durante horas no meio da escuridão e de um frio tremendo. Mas quando acontece e estamos lá para ver, ficamos de boca aberta: vemos cores a dançar no céu, por vezes em enormes dimensões. Testemunhamos algo grandioso, e que é real, criado pela natureza, a acontecer ali por cima de nós durante breves minutos.

O que me deslumbra não é só o facto de ser algo belo a acontecer no céu. É, também, a sensação de assistir a isso sozinho, longe da cidade e de toda a gente. Foi por isso que decidi fazer o documentário: para tentar partilhar com os outros aquilo que os meus olhos viram no Alasca. É claro que a câmara só consegue captar uma parte do que acontece no céu.

Aquilo é tão grandioso que nos deixa a meditar sobre o rumo que damos à vida e sobre a nossa dimensão. Sobre isto de sermos uma mera migalha no meio de um colossal espetáculo cósmico acima de nós. Sobre isto de olharmos demasiado para ecrãs e esquecermo-nos de olhar para o céu e saborear o vento frio na cara.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.