Cristiano, caçador português de auroras boreais

O jornalista Cristiano Pereira passou 45 dias no Alasca para realizar um documentário sobre auroras boreais. O seu filme "Sarapanta", que ele assina como Cristiano Saturno, estará a 10 de novembro no Cinema São Jorge, em Lisboa, e a 27 no Planetário do Porto.

Sarapanta - significa aquilo que causa espanto, assombro ou pasmo. A Aurora Boreal deixa-nos mesmo assim: assarapantados. Os antigos pescadores dos bacalhoeiros portugueses que costumavam ir para os mares da Terra Nova ou da Gronelândia chamavam Sarapanta à Aurora Boreal.

Nós olhamos demasiado para ecrãs e passamos os nossos dias a deslizar os dedos em touch screens. A contemplação passa-nos ao lado. Estamos raptados pela tecnologia. É urgente fugir de tudo isso e recuperar a capacidade de deslumbramento. Foi por isso que fui para o Alasca caçar Aurora Boreais e tentar fazer um filme sobre essas luzes nos céus do Norte.

Ver uma aurora boreal é uma experiência desconcertante. Sobretudo se for uma aurora muito dinâmica e brilhante. Para um português, é algo novo. Nós crescemos e vivemos a apreciar o pôr-do-sol, o arco-íris, as nuvens, os relâmpagos, a lua, as estrelas, os eclipses, enfim, todas essas maravilhas que acontecem no céu. Mas tudo isso nos é familiar.
A Aurora Boreal é-nos mais estranha, enigmática, inatingível. Acontece longe de nós, lá muito para o Norte, e não é fácil vê-la por várias razões: só surge de vez em quando e para vê-la precisamos de céu limpo e de distância da poluição luminosa das cidades. É imprevisível. Precisamos de sorte e de esperar durante horas no meio da escuridão e de um frio tremendo. Mas quando acontece e estamos lá para ver, ficamos de boca aberta: vemos cores a dançar no céu, por vezes em enormes dimensões. Testemunhamos algo grandioso, e que é real, criado pela natureza, a acontecer ali por cima de nós durante breves minutos.

O que me deslumbra não é só o facto de ser algo belo a acontecer no céu. É, também, a sensação de assistir a isso sozinho, longe da cidade e de toda a gente. Foi por isso que decidi fazer o documentário: para tentar partilhar com os outros aquilo que os meus olhos viram no Alasca. É claro que a câmara só consegue captar uma parte do que acontece no céu.

Aquilo é tão grandioso que nos deixa a meditar sobre o rumo que damos à vida e sobre a nossa dimensão. Sobre isto de sermos uma mera migalha no meio de um colossal espetáculo cósmico acima de nós. Sobre isto de olharmos demasiado para ecrãs e esquecermo-nos de olhar para o céu e saborear o vento frio na cara.

Ler mais

Exclusivos