"Portugal tem de otimizar recursos: turismo saudável e cultura palpitante"

Ricardo Graça

O fotógrafo Ricardo Graça descreve muitas vezes a sociedade como "um fiambre de beterraba, entre o caos e a harmonia. Defende a educação para todos.

Para ler este texto é preciso que o leitor saiba que o fotógrafo Ricardo Graça vive e comunica "fora da caixa". Uma espécie de Manuel João Vieira de Leiria - músico, líder dos Ena Pá 2000, que por três vezes anunciou a candidatura a Belém -, embrenhado na vida cultural da sua cidade, crítico quando tem de ser. "Penso que a sociedade, infelizmente, perdeu o hábito de consultar o dicionário. Contrariemos isso imediatamente: do latim, societas, pois, que é como quem diz uma "associação amistosa com outros"! As societas parecem coisa de má fama. Soa a esquema. Nós temos bastantes. Toda a gente tem. É humano. Somos 11 milhões, mais os nossos grilos falantes, o Freud e tudo o que defendia, mais as contas para pagar e os avós esquecidos no lar. O tempo, aquele das 24 horas, que parece já não chegar." Neste exercício filosófico que lhe é comum, sabe que vivemos mais tempo, com "mais conhecimento, conforto, história, acesso a informação, saúde, escolaridade, justiça, água potável, só que as mulheres continuam a aparecer mortas em casa".

Não raras vezes descreve a sociedade e o país como "um fiambre de beterraba entre o caos e a harmonia. A terra processada ao máximo que pariu uma natureza digital que sente o analógico a morrer. Quando revelarmos isto, ninguém sabe se saímos negativos ou positivos, mas parece que a vida fora do ecrã é mais cinzenta. Nós inventamos tudo, só que um dia destes aparece-nos um Armagedão e depois ninguém sabe amanhar um batatal! Nessa altura, havemos de arranjar alguém que ainda tenha bateria para ir chorar a nossa morte no Facebook". Perante esse estado a que chegámos, Ricardo Graça não tem dúvida de que "só há uma solução para isto: educação para todos. É daí que vem o respeito pela diferença, pelo próximo, a humildade, o conhecimento, a competência e todas aquelas coisas que as mãezinhas nos ensinam". Arrumado o país, o que acha então da presença de Portugal na União Europeia? "Não tão boa como a do Salvador Sobral. Mas melhor do que a de Maria Leal na discoteca da minha aldeia. Acho que em tempos fomos uns acólitos, desejosos de fazer o que nos mandassem em troca do corpo do Senhor. E assim se foi a agricultura, a pesca, o leite... Felizmente, fomos gracejados, para compensar, com os Jogos sem Fronteiras e o Eládio Clímaco, com os financiamentos das derrapagens financeiras, e com as infraestruturas trocadas por Mercedes e apartamentos em time sharing na Quarteira." É por isso que acha ser chegada a hora de "jogar no terreno onde somos bons, soft skills. Aquele dom de saber estar encostado ao balcão".

"A piada malandra, o sorriso, o Centeno 4.0 a alavancar, e Portugal a assumir-se como a versão país melhorada de Zezé Camarinha." No meio da Graça que lhe está colada ao nome e à pele, Ricardo ainda pensa a sério. Por exemplo, quando lhe perguntamos o que pensa sobre o país receber ou não refugiados. "Se não os recebermos seremos condenados, perderemos a essência do ser humano. O mundo é de todos. Todos temos direito a viver uma vida digna. Ninguém tem direito a reclamar o planeta, ninguém tem o direito de proibir outros seres humanos ao acesso à vida. Receber, claro. Mas devíamos dedicar esforços a que não seja necessário eles partirem de suas casas." Aos 37 anos, o fotógrafo que foi freelancer a vida quase toda e só há coisa de um ano assinou o primeiro contrato de trabalho, crê que "não devemos querer uniformizar o mundo por completo, mas devíamos arranjar uma maneira de balizar comportamentos como humanidade. Voltamos à educação. Só a educação nos livrará de deuses vingativos e violentos, do petróleo, das armas e da parvoíce generalizada do míssil para o ar ou do tweet bacoco. Só a educação nos permitirá colocar-nos na pele do outro", sublinha.

Por acreditar no país que é seu, diz que "Portugal tem de otimizar recursos: turismo saudável, ciência de ponta e cultura palpitante. Concertação a nível de questões estruturais, como a educação, a justiça, o ambiente e a saúde. Não podemos, cada vez que muda o ministro, andar a trocar de manuais escolares, de tipos de avaliação de formas de colocação de professores, abrandar a busca de conhecimento, de aposta nas energias renováveis. Tem de haver consistência e continuidade". E por uma vez parece-lhe que poderíamos fingir que Portugal é uma empresa. "Quando há um conselho de administração, os administradores podem e devem ter ideias diferentes, mas chegam para trabalhar numa solução que seja o melhor para empresa. Estudam, questionam, fazem contas e em conjunto decidem e aplicam. E convém acertar, senão estão no olho da rua." Ele que "gostava de viver num país onde não existisse analfabetismo de qualquer espécie. Com uma produção agrícola mais biológica do que industrial. Com acessos mínimos à beleza, à cultura, a viagens e a todos os direitos consagrados só por termos nascidos humanos. Menos horas de trabalho. Mais ligação à natureza. Às pessoas".

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub