Investigada morte de bebé no hospital por falta de assistência

Mulher em trabalho de parto esperou hora e meia por médico. Quando este apareceu era tarde de mais

A administração da Unidade de Saúde Local da Guarda abriu um processo de averiguações para apurar responsabilidades no caso da morte de uma bebé por alegada falta de assistência médica, depois de a mãe ali ter chegado em trabalho de parto, avança hoje o Jornal de Notícias.

De acordo com esta publicação, a mulher, de 39 anos, tinha cesariana agendada para dia 27, mas na quinta-feira de manhã, com 37 semanas de gestação, foi ao serviço de obstetrícia daquela unidade de saúde devido a perdas de sangue. Acabou por entrar em trabalho de parto, mas o médico só recebeu à emergência hora e meia depois de ter sido chamado, quando já nada havia a fazer pela bebé.

Em conferência de imprensa, já esta sexta-feira de manhã, o conselho de administração confirmou o caso e diz que foi aberto um inquérito, com especialistas em obstetrícia e juristas, para investigar as circunstâncias da morte.

O presidente do CA da ULS/Guarda disse que estavam ao serviço dois obstetras e que o alegado atraso de um dos especialistas de serviço "é uma matéria" que fica"para ser analisada pelos inquiridores que foram nomeados".

Em sua opinião, "é prematuro dizer o que quer que seja" sobre o assunto, alegando que vai ser objeto de investigação.

"Esse atraso [do obstetra], ou não, é algo que vai ser objeto da investigação dos inquiridores", assumiu.

Carlos Rodrigues disse que é preciso "apurar primeiro responsabilidades" e esclarecer todo o processo, considerando que "nesta altura é prematuro qualquer juízo de valor sobre a matéria".

Disse ainda que logo após o registo da ocorrência o CA solicitou de imediato esclarecimentos ao diretor do Departamento de Saúde da Criança e da Mulher e à diretora do Departamento de Saúde, que elaboraram um relatório preliminar que deu origem ao inquérito que vai ser realizado.

Entretanto, a ARS do Centro (ARSC) emitiu um comunicado, no qual se lê que esta organização "procedeu à instauração de um processo de inquérito ao caso da morte de um bebé, verificada no dia de ontem, 16 de fevereiro, no serviço de Urgência do Hospital Dr. Sousa Martins na Unidade Local de Saúde da Guarda, IP".

"A ARSC lamenta profundamente a situação ocorrida e garante que serão apuradas todas as responsabilidades e respetivas consequências resultantes do processo de inquérito".

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub