Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Quem é este miúdo?

Quem é este miúdo?

por Sandra Nobre. Fotografia de João Girão/GI

Lorenzo Carvalho é um brasileiro de 21 anos que chegou a Portugal no ano passado e dá nas vistas ostentando riqueza e dando festas de luxo. Filho de uma família com negócios nas pedras preciosas e cosmética, viveu entre o Brasil e Itália, tornou-se piloto da Ferrari em GT3 e diz querer comprar o Autódromo do Estoril. É apenas mais uma das suas extravagâncias...

Parece que estamos a entrar na caixa-forte de um banco. O condomínio onde vive o jovem piloto de Ferraris Lorenzo Carvalho, na linha do Estoril, está cercado de seguranças. Na garagem, uma coleção de carros impressionantes - quatro Ferraris, um Bentley, um Porsche Cayenne, um Fiat 500 com 500 cavalos... Lorenzo surge sorridente. É difícil dizer no que se repara primeiro - as tatuagens que lhe sobem pelo pescoço e vão até aos dedos, o boné, que raramente tira, ou os sapatos com tachas e sola vermelha louboutiana... Não quer passar despercebido, este jovem. Aliás, desde que se mudou para Portugal, no verão passado, com os pais - Cleyci Rita de Carvalho, brasileira, e Luiz Carlos Leal, luso-brasileiro, filho de portugueses da Guarda -, tem promovido eventos para atrair jornalistas e figuras públicas. No passado fim de semana, com uma enorme festa, encheu a discoteca Lust, no Terreiro do Paço. E o anúncio de que quer comprar o Circuito do Estoril surpreendeu tudo e todos.

E quem é este rapaz que chegou a Portugal vindo do nada e surpeende por ostentar a sua riqueza? Lorenzo Carvalho Leal tem 21 anos. Nasceu em Goiânia, estado de Goiás, no Brasil, mudou-se com apenas 2 dias para São Paulo, onde viveu até por volta dos 5 anos. Por essa altura, conta, começaram as viagens frequentes a Milão, por conta dos negócios da mãe. «Os meus avós comercializavam pedras preciosas e ela estava nesse ramo também», explica.

Uma série de infortúnios parece ter conduzido à mudança para a Europa. «A nossa família foi morrendo, tudo mortes trágicas - a minha tia suicidou-se, a minha avó morreu afogada, o meu tio queimado numa explosão num acidente de carro - e a minha mãe não quis ficar mais naquele país», diz. Ponderaram entre França, onde a mãe estudara Medicina, Milão, onde tinha negócios, ou Portugal, a terra dos avós paternos. Escolheram Itália, «para abrir o negócio da cosmética [atualmente, é administradora da marca Forêt Vierge] e ser aceite pelo mercado euro peu», justifica a mãe. Lorenzo tinha 9 anos.

Um grito do Ipiranga precoce

A presença da mãe na vida de Lorenzo é uma constante. Filho único, vive com os pais que, divorciados, habitam a mesma casa. «Aos 13 anos, Lorenzo teve o seu primeiro carrinho», lembra a mãe, embevecida. O adolescente conta que brincava com um SLC K200, um microcarro de fibra de carbono, assinado pela equipa da italiana ATR Group que desenvolveu o corpo e os chassis de supercarros como o Enzo Ferrari, o Porsche Carrera GT ou o Maserati MC 12, antes de ter idade para conduzir.

«A mãe sempre alimentou as loucuras dele e comprou os carros», graceja o pai.

Aos 16, Lorenzo terá decidido que não queria estudar. A mãe acedeu. «Quando eu tinha 16 anos, ela comprou-me três lojas de videogames, no centro de Milão, e comecei a ter a responsabilidade de gerir as minhas lojas, fazer as contas. Virou um trabalho e ficou chato, era melhor ter estudado», conta o piloto. Fez do seu passaporte um diploma: «Viajo a cada duas semanas, vou a Nova Iorque, França, aprendo muito mais conhecendo outras culturas.»

"Trust no one"

A adolescência privilegiada foi protegida pela riqueza da família. E a um nível a que não estamos habituados. Quando cumpriu 17 anos, por exemplo, Lorenzo ganhou o primeiro Ferrari. Depois de conduzir um ano sem carta, achou que o modelo estava ultrapassado e quis trocar. Um amigo, pai de família, que passou por certas dificulda-des e que ele trouxe para trabalhar com a sua mãe, apresentou-lhe um entendido em carros para fazerem negócio. «Nunca iria pensar que a pessoa com quem convivo todos os dias e que ajudo me vai prejudicar. Ingenuamente, entreguei o meu Ferrari e evaporou», recorda. Na sequência desse episódio fez uma tatuagem no peito que diz «Trust no one».

Desde os 13 anos que Lorenzo passou a colecionar no corpo símbolos, imagens, nomes. Começou com um pequeno dragão de Mulan , o filme da Disney, na perna, contra a vontade da mãe. Aos 17 entregava-se nas mãos de artistas de Los Angeles. Tem algumas especiais, como o Mike Tyson que leva ao peito, o «LA» no pescoço - a sua cidade favorita - e o nome «Laura» inscrito no braço, uma das mulheres da sua curta vida. Lorenzo é mulherengo e não esconde isso. É casado, tem uma filha, mas vai dizendo «sou homem, fazer o quê?». Mas protege a família dos holofotes e não fala mais sobre o assunto.

Milão, a cidade da moda onde vivia, era perfeita para a vida de alguém que não tem de fazer contas. Mas deixou de fazer sentido no verão passado. «Deixei para trás amigos e inimigos. Há muita gente que se faz passar por aquilo que não é e tenta sempre "te ferrar". O país estava muito complicado. Nesse último período era difícil achar alguém honesto. Estávamos trabalhando para o governo. Vim para Portugal revoltado», diz Lorenzo. A mãe corrobora a ideia: «Milão tornou-se muito agressiva.» Portugal revelou uma faceta humana a que o piloto já não estava habituado: «Aqui ainda se pode confiar em algumas pessoas.»

O negócio de que ninguém fala

Lorenzo sempre teve motos, entrava em corridas, desafiava os limites. Há dois anos integra a equipa da Ferrari em GT3, depois de ter feito vários cursos de condução ativa com a marca, mesmo antes de ter idade para conduzir. Estes cursos, na Ferrari, destinam-se a quem tem vários carros da marca e a participação nas corridas também é vendida - o pacote custa desde um milhão de euros, embora seja feita uma triagem aos pilotos que o pretendam fazer. Recentemente, Lorenzo correu a Dunlop 24H Dubai, em que a equipa AF Corse SRL 2 - juntamente com os pilotos italianos Lorenzo Case, Marco Cioci e o finlandês Mika Salo - acabou em segundo lugar. Agora aguarda o calendário das competições.

Lorenzo idolatra o piloto brasileiro Ayrton Sena e diz que essa é uma das razões por que veio a público falar na intenção de comprar o Circuito do Estoril (antigo Autó-dromo Fernanda Pires da Silva). «Era a pista favorita dele», argumenta. Mas, embora nas mesmas declarações, do início do mês, falasse na criação de uma escola Ferrari, agora dá o dito pelo não dito. «A marca zangou-se. Foi um mal-entendido. Eu quero ter uma escola de condução com diferentes marcas representadas.» Sobre o negócio do circuito diz que «é a mãe quem trata».

Cleyci Rita de Carvalho diz que não pode falar sobre o assunto, porque «o que foi noticiado prejudicou muito as negociações», escusando-se a revelar quem eram os interlocutores. Para já, apenas adianta que está «alugando espaços por dias». A Parpública, SGPS, empresa do Estado que trata dos processos de privatização e gestão de património imobiliário, na tutela do Ministério das Finanças, que tem também o dossier Circuito do Estoril, questionada sobre a possibilidade de venda, fez saber que «não existem quaisquer contactos ou negociações em curso que envolvam a Parpública relativamente a este processo». O último concurso público foi lançado em 2007, por 35 milhões de euros. Houve um único candidato que não aceitou os valores do executivo de Sócrates e o autódromo permaneceu estatal.

Lorenzo encontra-se com a Notícias Magazine na sua casa do Estoril. Está sentado à cabeceira da mesa, de boné, que raramente tira. Só cede o lugar ao avô - que veio visitar a família na casa que compraram no Estoril, de frente para a marginal, o Chalet da Condessa d"Edla (a viúva de D. Fernando II). Na outra ponta, mamma nostra, como chamam à matriarca da família - a mãe. Pelo meio, um corrupio entre família do Brasil, amigos de Itália, o sócio da mãe na cosmética, do Lichten-stein. Acrescentam-se pratos à medida que vai chegando gente. Não há «frescuras», como diriam os brasileiros, há comida servida em travessas, riso solto e conversas que começam numa língua e acabam noutra. Os telemóveis da mãe tocam persistentemente, ela atende sempre, mas já ninguém estranha apesar de não a pouparem à reprimenda: «Dá para des ligar à mesa?». Não dá. Depois da refeição, o piloto continua a tratar dos preparativos

para a festa do dia seguinte, a Champanhe Shower Party, no Lust, em Lisboa, espaço que Lorenzo diz estar a negociar para a compra de uma parte maioritária. «Está com os advogados, mas quase tudo tratado.»

As festas são referências da sua vida. As de Saint-Tropez, Milão e Los Angeles, onde, garante, os amigos facilmente gastam «quinhentos, seiscentos mil ou um milhão por noite». E diz que já organizou eventos com mil pessoas, grandes DJ como Martin Solveig, DJ Ross e David Guetta. «Eles já passaram música para mim.» Na festa de aniversário dos 21 anos diz ter feito o recorde de uma discoteca ao comprar «duzentas garrafas de cristal [Louis Roederer]»- cada garrafa custa cerca de mil euros. «Diversão, mania ou ignorância, esse é o meu lado negro.»

Tudo o que se pode comprar

É uma boa definição para a sua figura na noite da festa: apareceu sem boné, de pulseira tripla cravada de diamantes, T-shirt a deixar a descoberto as pinturas do corpo, pôs música, posou para os fotógrafos ao lado de figuras públicas como o cantor Mikael Carreira ou a actriz Sylvie Dias, o chef Henrique Sá Pessoa ou o escritor Domingos Amaral... Sempre ao seu lado, o segurança. «Tenho dois, são como meus irmãos, estamos 24 horas juntos. Não é questão de precisar, mas ajudam-me muito.»

Angel"s face, devil"s body é o lema de Lorenzo, dentro e fora de pista - é assim que se apresenta na sua página de internet. Um menino estranho, cujo espalhafato surpreen-de - por estas bandas é raro ostentar-se assim a riqueza, sobretudo em tempos de crise. O seu óbvio desafogo, explica-o a quem inevitavelmente o questiona com as origens e os negócios da família - nas pedras preciosas, dos avós, e na cosmética, da mãe. Ele próprio, que acabou de mostrar com orgulho a sua coleção de Ferraris ou sapatos Louboutin, garante que não é o consumo que o move. «Quando se tem a minha idade e tudo o que se quer - carros, joias, tudo - acaba-se por se perder a noção do valor do dinheiro, ir a certos sítios ajuda a perceber.»

Aponta a mesma razão para ajudar «120 crianças numa instituição no Brasil»,

doar o primeiro ano dos resultados da marca Understand 69 - em fase de lançamento, de momento com T-shirts à venda - às crianças do Instituto Português de Oncologia e associar-se à instituição Terra dos Sonhos. «Dar é fácil, eu gosto. Quando se tem tudo começa-se a procurar outro tipo de emoções. Isso ajuda a dar valor ao poder caminhar, ver, comer boa comida todos os dias. A minha avó sempre falou que "dinheiro a gente não leva no caixão", por isso a gente gosta de partilhar.» Quando se fala de sonhos por concretizar não sabe o que responder. «Talvez chegar à F1 se tiver de ser»... Sempre teve tudo o que o dinheiro pode comprar.

ORIENTAÇÃO: Os melhores do mundo treinam no Alentejo

A orientação é um desporto pouco conhecido entre nós, mas as condições para a prática da modalidade trazem a Portugal os melhores atletas do mundo. Atraídos pelo clima, pelo terreno e pela qualidade dos...

Já fez a sua mamografia?

É o meio mais eficaz para detetar o cancro da mama a tempo e horas de ser tratado e curado e as novas tecnologias de imagem - agora a 3D - permitem identificar pequenas alterações cada vez mais cedo....

Uma alma para todos os gostos

Há famílias pobres em Cascais que comem diariamente uma refeição porque existe uma Cozinha com Alma. O projeto nasceu da boa vontade de duas amigas que há dois anos juntaram um grupo de voluntários, parceiros...

Cosmética natural

Cansadas da correria, voltaram costas à vida agitada nas grandes cidades e abraçaram novas formas de vida em locais mais tranquilos. E abraçaram outro ofício também, diferente das áreas em que estudaram...

Outros Destaques na Revista Notícias Magazine

As nossas Revistas

Notícias TV

Às Sextas-feiras nas bancas

Notícias Magazine

Aos Domingos nas bancas

Semanalmente o DN publica as revistas Notícias TV e Notícias Magazine. Acompanhe aqui os seus principais destaques




PUB
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Quem pensa que está nesta altura mais bem posicionado para vencer as eleições no PS?

António Costa
António José Seguro
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper