Políticos, músicos e escritores na reação a protestos dos colégios

Pedro Abrunhosa é um dos vários músicos que já assinaram a petição da Fenprof

Dezenas de figuras públicas já assinaram a petição "Em defesa da escola pública", lançada pela Fenprof

Se os representantes dos colégios têm mobilizado milhares para os protestos contra os cortes nos contratos de associação, os apoiantes da medida do Ministério da Educação - com a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) na linha da frente - respondem com o envolvimento de figuras públicas de várias áreas, das artes ao mundo académico e à política.

Pedro Abrunhosa, Sérgio Godinho, Kalú (baterista dos Xutos & Pontapés) e Fausto Bordalo Dias. Batista Bastos e Daniel Oliveira. Manuel Alegre, Valter Hugo Mãe e Helena Roseta. Manuel Carlos Silva e Santana Castilho. Estes são apenas alguns dos nomes inscritos na petição "Em defesa da escola pública", lançada pela Fenprof. E há mesmo quem assuma a disponibilidade para participar na concentração que está a ser agendada para 18 de junho, no Parque Eduardo VII.

É o caso de Helena Roseta. A arquiteta e política, que nesta legislatura voltou ao Parlamento, não hesita em assumir que deverá contar--se entre os manifestantes. "Li nos jornais que iam fazer essa concentração. Normalmente quando estou de acordo com os objetivos vou às manifestações. Irei com todo o gosto", diz ao DN, explicando: "Devemos dar a cara por aquilo que defendemos. E não foram poucas aquelas em que participei desde o 25 de Abril." Para a também presidente da Assembleia Municipal de Câmara de Lisboa, nem sequer existem dúvidas sobre quem tem razão no debate em torno dos contratos de associação. "Não há grandes argumentos. Não faz sentido nenhum que aquilo que está na Constituição seja subvertido por aqueles que acham que nós temos de pagar porque algumas pessoas devem ter acesso a colégios privados", defende, considerando que o que está em causa é a "defesa da escola pública" prevista pela Constituição.

"Bem gostaria a doutora Assunção Cristas de mudar a Constituição, mas a verdade é que não consegue", acrescentou, numa alusão ao facto de a líder do CDS-PP ter admitido que, em alguns casos, faria sentido sacrificar a escola pública quando a oferta desta entrasse em choque com a de colégios com "bons resultados" e a "preferência" dos pais dos alunos.

O escritor Valter Hugo Mãe não põe a hipótese de marcar presença na manifestação. Mas também não sente dificuldades em explicar o motivo para ter assinado a petição. "Acredito no ensino público e gratuito para toda a gente. Acho inclusive que as sociedades só se redimem por um acesso igual à educação", diz. "E um acesso igual à educação deve ser primeiramente assegurado pelo Estado." O autor até admite compreender os protestos de "professores, funcionários, pais e alunos" dos colégios: "Tinham de alguma forma uma expectativa criada que é agora colocada em risco. Mas não posso estar profundamente solidário com isso num tempo em que se encolhe a própria escola pública por questões económicas", acrescenta.

A petição lançada pela Fenprof conta ainda com o apoio de dezenas de responsáveis das escolas públicas, incluindo os diretores das duas associações de diretores.

Relacionadas

Últimas notícias

Em 2013, o Governo Passos obrigou-se a três campanhas de sensibilização da opinião pública, até 2020, para combater a discriminação dos ciganos. Em 2017, o candidato do PSD a Loures faz a campanha contra eles; as sondagens dizem que a maioria aprova. De acordo com a autarquia, serão menos de 600 em 204 mil habitantes, estas pessoas que tanto incomodam. Quem são? Que fazem? Como se reconhecem? Viagem a Loures, à boleia de um estereótipo

Partilhar

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub