Ministra terá de explicar falhas no combate a incêndios

PSD, CDS e BE pedem explicações sobre quebras no SIRESP no incêndio de Alijó e sobre o que tem sido feito para corrigir. António Costa diz que sistema "tem fragilidades inaceitáveis"

A ministra da Administração Interna deve ir ao Parlamento, com urgência, explicar o que "foi feito" para resolver as falhas ocorridas no incêndio de Pedrógão Grande, nomeadamente a nível do SIRESP, e que voltaram a revelar-se no fogo em Alijó. A exigência foi feita ontem pelo PSD, com o CDS a insistir na demissão e o BE a perguntar o que falhou, no dia em que o primeiro-ministro, António Costa, voltou a criticar a PT pelas "fragilidades inadmissíveis" na rede de telecomunicações. Disse "não perceber porque é que os cabos estão colocados de forma aérea".

E enquanto o estado de emergência municipal está para ser declarado em Alijó, onde o fogo consumiu já mais de mil hectares e obrigou a evacuar aldeias, a Proteção Civil reagiu às críticas ao SIRESP assumindo falhas, mas garantindo que as comunicações "nunca estiveram comprometidas". O PSD não se convence e diz, através do deputado Carlos Abreu Amorim, que a ministra da Administração Interna "tem de dar explicações, em primeiro lugar porque ainda é titular responsável da pasta que diretamente se relaciona com incêndios e, em segundo lugar, porque é a ela que cabe resolver problemas que já foram diagnosticados", numa referência ao SIRESP. Assunção Cristas vai mais longe e voltou a pedir a demissão de Constança Urbano de Sousa. O BE também quer saber se houve falhas e quais no fogo de Alijó.

António Costa fala em "fragilidades inadmissíveis", quando confrontado com os problemas nas comunicações durante o combate a incêndios. "É de senso comum que numa zona de grande densidade florestal, onde há elevado risco de incêndio, o sistema de comunicações de uma determinada companhia, que não vou dizer o nome para não me criticarem, assentar em cabos aéreos, e nessa rede circular não só a comunicação normal como as comunicações de emergência, expõe a rede a uma fragilidade inadmissível", afirmou o primeiro-ministro, à margem da inauguração do novo terminal do aeroporto de Faro.

Enquanto a discussão política se centra no SIRESP, no terreno o dia voltou a ser dramático com centenas de fogos em todo o país, com o que lavra desde a madrugada de domingo em Alijó a ser o mais preocupante. Depois de ter sido dado como dominado no domingo, o incêndio ressurgiu em grande força, destruindo floresta e mato, e forçando a Proteção Civil a retirar habitantes em várias aldeias.

Alijó tem cinco corporações

"Infelizmente em Portugal isto acontece com regularidade, há um grande problema: combate-se o fogo com água e quando as chamas são extintas julga-se que está resolvido. Mas surgem logo os reacendimentos. Se abrissem faixas de contenção, com máquinas e ferramentas de sapadores, o fogo ficava ali e não voltava a preocupar", disse ao DN Paulo Fernandes, professor do Departamento de Ciências Florestais e Arquitetura Paisagista da UTAD e que é um dos elementos que integram a comissão de inquérito ao incêndio de Pedrógão Grande. Quando os incêndios são grandes, como é o de Alijó, o combate com água gera sempre reacendimentos. "O perímetro nunca é efetivamente controlado. E há ainda os ventos, no domingo o vento era de leste, hoje [segunda-feira] já era de sudoeste e de repente os flancos tornam-se na cabeça do incêndio."

Para este investigador, a região nem tem uma grande acumulação de biomassa. "Alijó tem fogos frequentes, há um mosaico de áreas queimadas dos últimos anos, mas há ainda área florestal para arder", diz o especialista para quem o tema SIRESP "está a ser empolado". O sistema "tem problemas estruturais mas nunca se falou tanto como neste ano, devido a Pedrógão. Ajuda a desviar, precisamos sempre de desculpas."

No concelho de Alijó há cinco corporações de bombeiros (Alijó, Sanfins do Douro, Favaios, Pinhão e Cheires. Paulo Fernandes não atribui a esta situação uma anomalia decisiva. "Tem que ver com a histórias dessas corporações. Até houve mais uma, em Pegarinhos. Parece, de facto, excessivo para um concelho desta dimensão, concentrar mais a massa crítica era melhor."

Ao final da tarde, o fogo de Alijó ainda tinha três frentes ativas. No terreno estavam 500 operacionais, cerca de 170 veículos, oito máquinas de rasto e nove aviões. Durante a tarde, e por precaução, foram deslocadas 21 pessoas, entre crianças, idosos e acamados, das aldeias de Carlão, Vila Chã, Francelos Franzilhal e Santa Eugénia. O presidente da Câmara de Alijó já admitia declarar o estado de emergência municipal. "É um pedido de socorro, é um pedido de ajuda porque nós já não somos capazes de dominar isto, os homens que estão aqui já estão exaustos, precisávamos de mais alguma coisa", sustentou Carlos Magalhães.

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub