Hospitais vão pagar mais a equipas chamadas de urgência para operar

Novas regras podem ajudar a dar resposta em áreas como a gastroenterologia, onde há escassez de resposta em Lisboa.

Médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde podem vir a ser ser pagos para fazer cirurgias em áreas onde haja escassez ou falhas de resposta, como aconteceu na área das ruturas de aneurismas em Lisboa. De acordo com uma portaria que será publicada em breve, está previsto um pagamento por ato em casos excecionais e urgentes, cabendo às equipas uma média de 45% do que é habitualmente pago na tabela. No tratamento dos aneurismas, o valor rondará dois/ três mil euros e será dividido por todos os participantes.

Ontem, o Ministério da Saúde anunciou que a partir de fevereiro há quatro hospitais a dar resposta aos doentes neurovasculares em Lisboa - Centro Hospitalar de Lisboa Norte, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental e Hospital Garcia de Orta.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Últimas notícias

Recomendadas

Contéudo Patrocinado

Mais popular