Crato faz ajuste direto de 43,6 milhões em refeições

Ajustes diretos foram necessários para assegurar fornecimento de refeições escolares a tempo do início das aulas, por causa de atrasos nos concursos. Próximo será para três anos e vale 153 milhões.

Nos últimos dois anos o Ministério da Educação e Ciência gastou 43,6 milhões de euros em dois ajustes diretos para comprar refeições escolares, por causa de atrasos nos concursos. Segundo o MEC, complicações no primeiro concurso, no ano passado, obrigaram a recorrer a um ajuste direto para conseguir assegurar o fornecimento de almoços a tempo do início do 1.º período. Este ano, o ministério de Nuno Crato garante que apesar de terem iniciado os procedimentos "prematuramente, não foi possível concluí-los até ao início das aulas, obrigando a procedimento semelhante" ao de 2013.

No conjunto, o MEC gastou 43,6 milhões de euros: 22,1 neste ano e 21,5 no ano passado, para um total de 25 milhões de almoços. No entanto, garante que não pagou mais por isso: o "valor do custo das refeições que foi contratado resultou da submissão à concorrência das empresas que concorreram ao procedimento anterior", que falhou, ressalva na resposta ao DN.

Leia mais na edição epaper do DN

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular