BE questiona Governo sobre notícias de falhas de segurança em Almaraz

Pergunta surge após a divulgação de um relatório do Conselho de Segurança Nuclear

O Bloco de Esquerda questionou hoje o Governo sobre a divulgação num jornal espanhol de uma ata de uma inspeção à central nuclear de Almaraz que aponta o incumprimento das "Especificações Técnicas de Segurança".

Numa pergunta endereçada ao Ministério do Ambiente, que deu hoje entrada na Assembleia da República, o Bloco de Esquerda (BE) interroga o Governo sobre se tem conhecimento da ata de maio de 2016 revelada pelo jornal espanhol El Diario.es.

"Pretende o Governo obter mais esclarecimentos sobre este caso junto das autoridades espanholas", questiona ainda o BE.

Na pergunta, o BE refere que, recentemente, o jornal espanhol El Diario.es relevou que a direção da central nuclear de Almaraz reconheceu perante os inspetores do Conselho de Segurança Nuclear (CSN) que "não tem cumprido de forma consciente, voluntária e reiterada as Especificações Técnicas de Segurança (ETS) do regulador nuclear no que diz respeito à proteção contra incêndios (PCI)".

"Esta revelação consta de um documento, publicado na íntegra pelo referido jornal - a ata de um relatório dos técnicos do CSN após uma inspeção realizada no passado mês de maio. O que levou a direção da central nuclear a pedir a sua destruição, mas os inspetores negaram-se a fazê-lo", relata o BE.

O El Diario.es contactou, segundo é referido, os responsáveis pela central nuclear, que responderam por escrito afirmando que "nunca admitiram nenhum incumprimento voluntário das normas de segurança do regulador".

Hoje, os governos de Portugal e de Espanha anunciaram que se reúnem na quinta-feira, em Madrid, para debater a questão, depois de o executivo português ter recebido garantias de que o processo de construção de um armazém de resíduos nucleares em Almaraz "não está encerrado".

Em causa está a decisão do Governo espanhol - contestada por Portugal - de construir um armazém de resíduos nucleares na central de Almaraz, localizada a cerca de 100 quilómetros da fronteira portuguesa.

Relacionadas

Últimas notícias

A tradição deu as boas-vindas à modernidade. O grupo de Zés-Pereiras Unidos da Paródia recebeu o MIMO em Amarante com uma atuação no largo da Igreja de São Gonçalo, antes do programa do festival começar, numa noite que juntou no Parque Ribeirinho Três Tristes Tigres, Tinariwen e Nação Zumbi. Após os gigantones terem saído de cena, um grupo de brasileiros radicados em Portugal aproveitou para tirar fotografias empunhando mensagens contra Michel Temer e a rede Globo e de apoio à Nação Zumbi.

O histórico grupo brasileiro foi o último a tocar na primeira noite do festival, já de madrugada, mas antes, ao fim da tarde, participou numa conversa no Fórum de Ideias. Moderado pelo consultor editorial Tito Couto, o encontro com o guitarrista Lúcio Maia e com o baixista Dengue foi um cartão de visita para quem não conhecia bem o grupo de Recife, e em especial do seu malogrado líder, Chico Science. Lúcio Maia lembrou que nos anos 80 a cidade chegou a estar classificada como a quarta pior do mundo para viver - e que a origem do nome do movimento manguebeat se deve à ideia de "afetividade" de Chico Science para com os manguezais, porque Recife foi construída à custa do aterro dos mangues. Sobre a mistura de sonoridades que caracteriza a Nação Zumbi, Dengue comentou: "Foi uma sacada muito grande do Chico. No final das contas, o nosso som era inclassificável, coisas de Pernambuco com o rock. Até para nós, hoje, soa estranho e novo o primeiro disco."

Nada estranho foi o primeiro concerto do festival, o do Quarteto Arabesco com Pedro Jóia. O grupo de cordas e o guitarrista encheram a Igreja de São Gonçalo com um repertório que começou na clássica (Luigi Bocherinni), passou pelo mestre Carlos Paredes, prosseguiu com Armandinho e Raul Ferrão, e culminou nas variações sobre fado corrido, da autoria de Jóia. Um arranque tranquilo e virtuoso. A poucos metros de distância, no Museu Amadeo de Souza-Cardoso, um septuagenário carioca com aura de lenda estreava-se em Portugal: Jards Macalé.

Mas o momento de maior simbolismo foi protagonizado por outro compatriota e colega de ofício, quando se viu Rodrigo Amarante a distribuir abraços a fãs a meio da ponte de São Gonçalo. Sobre o Tâmega também houve ação política: um movimento ambientalista passava a mensagem contra o projeto de construção de uma barragem no curso do rio. Nem tudo é música num festival como o MIMO.

E prova da importância para a região deste evento, o ministro da Economia Manuel Caldeira Cabral aproveitou a deslocação à cidade, na qual inaugurou uma start-up, para conhecer o festival, acompanhado do autarca e da organizadora, Lu Araújo.

Partilhar

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub