Bananas, fish farm e as contas externas. A política pode esperar

Cavaco Silva segue o roteiro sobre a Economia Dinâmica na Madeira. Para já, a crise política ficou fora da manhã do Presidente

A bandeira da Presidência foi hasteada na fragata Bartolomeu Dias ainda pela manhã. Depois de declarações que encheram hoje as manchetes dos jornais sobre o que fará quanto à governabilidade do país, o Presidente voltou ao que o levou à Madeira: o "Roteiro por uma economia dinâmica". A política pode esperar.

Mas nem neste caso Cavaco Silva esqueceu o equilíbrio orçamental, as exportações ou a competitividade da economia. A bordo do Bartolomeu Dias - na Madeira para receber o Presidente e exercer presença naval ao largo das Ilhas Desertas - que Cavaco Silva ouviu uma explicação de Élvio Pontes, da Ilha Peixe, sobre aquacultura. Nesse momento, o Presidente aproveitou a explicação para defender que "Portugal precisa de aumentar substancialmente a produção de peixe em aquacultura, para reduzir as importações. Como terceiro consumidor de peixe do mundo, se não aumentamos a produção na aquacultura o desequilíbrio das nossas contas externas vai ainda agravar-se."

Nem a falar de peixe Cavaco Silva esqueceu as contas, acrescentando: "Se conseguirmos aumentar estas quintas de produção de peixe, como dizem os ingleses, fish farm, conseguimos ter um ganho nas contas externas muito significativo." Sobre política, nem uma palavra.

Cavaco fez diversas perguntas, mas também observações, mostrando os conhecimentos que tem sobre tipos de peixe. "O dourado não é o macho da dourada. Ao contrário do que muita gente pensa. Não têm nada a ver". O Presidente mostrou ainda preocupação com as condições de trabalho de quem pesca: "Os pescadores consideram-se suficientemente recompensados?" E obteve a resposta de Élvio Pontes: "Bem, os pescadores querem sempre mais..."

O Presidente volta assim a demonstrar normalidade na manhã em que o país político continua a discutir a crise. Na fábrica da Insular, provou pão de farinha de batata-doce e andou sempre acompanhado do presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, que foi o seu cicerone durante a viagem de barco.

Foi com Albuquerque que Cavaco Silva comentou também as diferenças de um dos produtos mais famosos da ilha: "Vocês agora têm uma banana maior". Mas sempre com um discurso preocupado com as exportações e a competitividade: "Com essa banana, agora já conseguem competir melhor com a do Equador".

Na visita à Zona Franca, Cavaco Silva não fez qualquer comentário ao apontamento mais político de Francisco Costa, presidente do Centro de Negócios da Madeira, que comentou no final da apresentação: "Já experimentámos o que é na prática os mercados perderem a confiança. E não queremos repeti-lo".

Hoje, o Presidente da República ainda fará uma intervenção, havendo expectativa sobre se falará de política nacional ou se irá focar-se apenas na Economia da Região. O que já se sabe é que Cavaco Silva regressa hoje ao continente e amanhã continua a ouvir entidades em Belém. O Presidente vai ouvir os presidentes dos maiores bancos a operar em Portugal.

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub