António Costa anuncia construção de variante alternativa à EN14

António Costa ao lado de Bragança Fernandes

Estrada Nacional 14 atravessa os concelhos da Maia, Trofa e Vila Nova de Famalicão

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou hoje a construção da variante alternativa à Estrada Nacional 14 (EN14), artéria que atravessa os concelhos da Maia, Trofa e Vila Nova de Famalicão, uma reivindicação de mais de 20 anos.

"O senhor ministro do Planeamento e das Infraestruturas já assumiu a decisão de construir a variante à EN14, neste primeiro troço, que servirá o Concelho da Maia até à Via Diagonal e ao Nó da Carriça, é uma decisão que está tomada e é uma decisão que irá ser implementada", afirmou durante a inauguração do Complexo Desportivo do Instituto Superior da Maia (ISMAI).

O chefe do Governo revelou que dado os fundos estruturais terem desconsiderado o investimento das vias rodoviárias, a obra irá ser feita com "recursos nacionais", correspondendo assim às necessidades das populações.

Este anúncio por parte de António Costa é um motivo de "grande alegria" para o presidente da Câmara da Maia, o social-democrata Bragança Fernandes, que classificou o dia de "histórico".

"Esta é uma grande notícia. A Maia é o primeiro exportador da Área Metropolitana do Porto, o segundo da zona Norte do país e o quarto a nível nacional", afirmou.

O autarca lembrou que o concelho tem "muita, muita, muita" exportação e as acessibilidades ao Porto de Leixões e ao aeroporto, através da EN14, são "péssimas".

Bragança Fernandes, que abandona a liderança de 15 anos da autarquia em outubro, após as eleições, espera que as obras começam ainda antes disso.

"Espero que as obras ainda arranquem comigo. Pelo que me disse o primeiro-ministro o concurso público está pronto a ser lançado, assim espero que ele cumpra o que disse e lance a empreitada o mais rapidamente possível", reforçou.

Esta obra não é só boa para a Maia, mas para as pessoas, para os empregadores e para os exportadores que precisam de chegar rapidamente ao Porto de Leixões e ao aeroporto.

"Nós temos bons acesso do centro da Maia a esses locais, nomeadamente Porto de Leixões e aeroporto, mas para quem vem de Famalicão e passa pela Trofa esse acesso é péssimo", vincou.

A EN14 é a via de acessos a várias zonas industriais onde existem empresas com forte vocação exportadora.

A estrada é atravessada diariamente por cerca de 30 mil veículos, nomeadamente pesados, sendo um dos principais problemas os estrangulamentos.

Relacionadas

Últimas notícias

A tradição deu as boas-vindas à modernidade. O grupo de Zés-Pereiras Unidos da Paródia recebeu o MIMO em Amarante com uma atuação no largo da Igreja de São Gonçalo, antes do programa do festival começar, numa noite que juntou no Parque Ribeirinho Três Tristes Tigres, Tinariwen e Nação Zumbi. Após os gigantones terem saído de cena, um grupo de brasileiros radicados em Portugal aproveitou para tirar fotografias empunhando mensagens contra Michel Temer e a rede Globo e de apoio à Nação Zumbi.

O histórico grupo brasileiro foi o último a tocar na primeira noite do festival, já de madrugada, mas antes, ao fim da tarde, participou numa conversa no Fórum de Ideias. Moderado pelo consultor editorial Tito Couto, o encontro com o guitarrista Lúcio Maia e com o baixista Dengue foi um cartão de visita para quem não conhecia bem o grupo de Recife, e em especial do seu malogrado líder, Chico Science. Lúcio Maia lembrou que nos anos 80 a cidade chegou a estar classificada como a quarta pior do mundo para viver - e que a origem do nome do movimento manguebeat se deve à ideia de "afetividade" de Chico Science para com os manguezais, porque Recife foi construída à custa do aterro dos mangues. Sobre a mistura de sonoridades que caracteriza a Nação Zumbi, Dengue comentou: "Foi uma sacada muito grande do Chico. No final das contas, o nosso som era inclassificável, coisas de Pernambuco com o rock. Até para nós, hoje, soa estranho e novo o primeiro disco."

Nada estranho foi o primeiro concerto do festival, o do Quarteto Arabesco com Pedro Jóia. O grupo de cordas e o guitarrista encheram a Igreja de São Gonçalo com um repertório que começou na clássica (Luigi Bocherinni), passou pelo mestre Carlos Paredes, prosseguiu com Armandinho e Raul Ferrão, e culminou nas variações sobre fado corrido, da autoria de Jóia. Um arranque tranquilo e virtuoso. A poucos metros de distância, no Museu Amadeo de Souza-Cardoso, um septuagenário carioca com aura de lenda estreava-se em Portugal: Jards Macalé.

Mas o momento de maior simbolismo foi protagonizado por outro compatriota e colega de ofício, quando se viu Rodrigo Amarante a distribuir abraços a fãs a meio da ponte de São Gonçalo. Sobre o Tâmega também houve ação política: um movimento ambientalista passava a mensagem contra o projeto de construção de uma barragem no curso do rio. Nem tudo é música num festival como o MIMO.

E prova da importância para a região deste evento, o ministro da Economia Manuel Caldeira Cabral aproveitou a deslocação à cidade, na qual inaugurou uma start-up, para conhecer o festival, acompanhado do autarca e da organizadora, Lu Araújo.

Partilhar

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub