Serviços da Segurança Social em "deterioração grave"

O Bloco de Esquerda denunciou hoje "a deterioração grave da qualidade do serviço" da Segurança Social e quer que o Governo revele quantos pontos de atendimento fecharam no último ano e quantos funcionários se reformaram sem terem sido substituídos.

Numa pergunta dirigida ao Ministério da Segurança Social, dirigido por Luís Pedro Mota Soares, o BE assegura que desde junho "diversos serviços de atendimento ao público da Segurança Social têm vindo a ser encerrados" e aponta exemplos do funcionamento de outros "que dão conta de uma deterioração grave da qualidade do serviço da Segurança Social".

Para o BE, esta deterioração é "causada não só pelo encerramento dos serviços, mas também pela saída dos trabalhadores da Segurança Social para a reforma e que não são substituídos devido ao impedimento da contratação para os serviços públicos".

"Num momento de crise social tão grande como o que estamos a viver, a incapacidade de resposta dos serviços pode significar a degradação da vida de milhares de famílias, pelo que não se pode aceitar que continue este caminho de garrote aos serviços da Segurança Social", lê-se no mesmo texto.

O BE aponta os casos de alguns serviços em Lisboa, como o do Areeiro, em que o atendimento "é agora feito apenas após marcação prévia por telefone, com o custo da chamada a ser integralmente suportado pelos cidadãos e cidadãs que, como é sabido, têm muitas vezes enormes dificuldades financeiras".

"Para além disso, a lista de marcações é tão extensa que os serviços estão já a marcar o atendimento para a segunda quinzena de agosto", acrescentam os deputados do Bloco.

Quanto ao atendimento nas Lojas do Cidadão, prosseguem, "diariamente observam-se filas de utentes desde as cinco horas da manhã, visto que só a ida a essa hora lhes garante uma senha".

Há ainda o caso, acrescentam, das "pessoas que têm de fazer prova escolar para a atribuição do abono de família e que não dispõem de internet", que "são obrigadas a ir ao atendimento geral para depois receberem uma convocatória pelo correio, perdendo, neste processo, dois dias de trabalho".

O BE pergunta por isso ao Governo quantos serviços de atendimento ao público da Segurança Social encerraram desde que o Executivo tomou posse, qual o atual rácio utente/serviço em cada concelho do país e qual era o valor em agosto de 2011.

Os deputados do Bloco perguntam ainda "quantos funcionários da Segurança Social se reformaram desde agosto de 2011" e "quantos funcionários da Segurança Social foram admitidos desde agosto de 2011".

"Irá o ministério realizar alguma ação para evitar este deteriorar das condições de atendimento?", perguntam ainda.

Últimas notícias

Mais popular